Cultura

Fernando da Piedade inaugura escultura

O presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos, inaugurou, na quarta-feira, uma escultura megalítica denominada “Jingila Muna Fu”, colocada na entrada do Portão Sul do edifício do Palácio da Assembleia Nacional, à margem da cerimónia de cumprimentos de fim de ano dos deputados.

Presidente da Assembleia Nacional disse que a escultura mostra o valor dos artistas
Fotografia: Santos Pedro | Edições Novembro

Segundo Fernando da Piedade Dias dos Santos, a escultura mostra o valor dos artistas angolanos, capazes de produzir obras com elevado significado. “O significado desta obra aplica-se também ao perfil do Deputado, pois é preciso saber respeitar a diferença e vivermos em harmonia para juntos construirmos uma Angola melhor.”
A obra de arte “Jingila Muna Fu”, que em kikongo significa “Viver de Acordo com os Costumes na Diversidade e em Harmonia”, foi concebida pelo artista plástico João Domingos Mabuaka “Mayembe” e oferecida à Pátria por meio da Assembleia Nacional, no sentido de homenagear e agradecer ao povo angolano por todas as conquistas obtidas nos domínios da vida social, económica e política.
O escultor disse que a obra representa a expressão de reserva moral dentro da sociedade sobretudo para aqueles que fazem a política. “Não se pode fazer política sem arte porque na nossa vida tudo que fazemos envolve a arte, e nós estamos numa casa de vários conceitos, onde há pluralidade de ideias. Logo, com esta obra eu quero mostrar aos políticos que a arte deve sempre estar presente nos seu afazeres”, referiu o escultor.
“Jingila Muna Fu” é uma escultura feita em pedra-rocha maciça de granito do Nzeto (província do Zaire) e  baseada em eixos helicoidais que nos remontam à espiral e aos anéis do DNA. Tem os acabamentos em formato de esteira e a Welwitschia Mirabilis em forma evocativa. Pesa cerca de 4,5 toneladas, mede 275 metros de altura e 90 metros de diâmetro foi produzida em 2015.

Galeria Parlamentar


No mesmo dia, o presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos procedeu à inauguração da primeira Galeria Parlamentar, um projecto que visa compilar todo um acervo histórico e bibliográfico parlamentar, desde o Conselho da Revolução.
Pedro Agostinho de Neri, secretário-geral da Assembleia Nacional, esclareceu que o resultado do trabalho não é já o esperado: “Ainda não atingimos o nosso desejo, ou seja, o melhor, mas temos a hombridade de dar-lhe início, não vai ser fácil, mas com a contribuição de todos, havemos de melhorar esta galeria parlamentar”.
A galeria contém um conjunto de informações, desde fotografias, vídeos, áudios, com registos e lembranças de toda uma vida política e institucional, daqueles que fizeram e ainda fazem parte da Magna Casa.
O secretário-geral revelou que a galeria vai evoluir para um Museu Parlamentar: “Estamos conscientes de que até hoje não fazíamos o devido tratamento da informação que se prestava, mas temos estado a fazer o nosso melhor, para conseguirmos recolher o máximo de acervo e informação.”
O resultado de todo o trabalho foi realizado pelos jovens Licassía e Cássio Caposso Cristóvão, proprietários da empresa Dipanda Roots.
O Parlamento de Angola é um órgão unicamaral. A Assembleia Nacional é um dos órgãos de soberania consagrados na Constituição, para além do Presidente da República e dos Tribunais, é, nos termos da Lei Fundamental, “a assembleia representativa de todos os cidadãos angolanos”.
A Constituição, o Regimento e o Estatuto dos Deputados definem as competências e as regras de funcionamento da Assembleia Nacional, os direitos e deveres dos seus membros, garantindo as relações de separação de poderes e interdependências relativamente aos outros órgãos de soberania.

Tempo

Multimédia