Festa do Teatro com balanço positivo


21 de Setembro, 2016

Fotografia: Paulo Damião

Os conteúdos transmitidos sobre a história universal, valores cívicos e culturais marcou a primeira edição do Circuito Internacional de Teatro (CIT), que se realizou de 1 de Julho a 17 deste mês, no Instituto Superior de Artes (Isartes), na Centralidade do Kilamba.

Em declarações, ontem, ao Jornal de Angola, o director do CIT, Adérito Rodrigues “Bi”, considerou  positiva a primeira edição do festival, por se registar em média por espectáculo a presença de 175 pessoas entre adultos, jovens e crianças.
As palestras que durante os três meses de actividade e que abordaram questões ligadas a criação artística, foi para Adérito Rodrigues outro dos desafios alcançados, razão pela qual, os subsídios apresentados pelos grupos nacionais e estrangeiro serviu como uma “porta aberta” ao diálogo sobre a dinâmica registada nas artes cénicas, particularmente, no teatro.
Segundo os dados avançados pelo director do festival, um dos outros desafios almejados foi permitir aproximar e fortalecer as relações entre os artistas, encenadores, directores e membros da organização.
Durante três meses, disse Adérito Rodrigues, um total de quatro mil pessoas assistiram os quase 30 espectáculos, que se realizaram todos os finais de semana no período da tarde (infantis) e às noites (adultos), na Centralidade do Kilamba.
Por essa razão, Adérito Rodrigues a juventude preferencialmente, a continuar a assistir espectáculos de teatro, por considerar também “uma fonte importante de transmissão de conhecimentos”.

Público participativo

A participação do público, reconheceu Adérito Rodrigues, foi um factor determinante para dar outra qualidade ao festival. “Tivemos um público adulto, educado e participativo que permitiu dar um valor adicional aos espectáculos”.
Ao longo da realização do CIT, disse Adérito Rodrigues, estiveram envolvidas cerca de 455 pessoas, desde membros dos grupos e da organização do festival. “Queríamos direccionar as actividades mais para os jovens na tentativa de fomentar vários diálogos actuais, muitos deles sensíveis vividos na nossa sociedade.”
O aumento do número de espectadores no CIT superou às expectativas, por se registar, na sua maioria, sala cheia com uma plateia participativa, que ajudou a divulgar os espectáculos exibidos durante o festival.
Tornar a iniciativa um ponto permanente de intercâmbio cultural, entre os alunos do Complexo de Escolas de Artes (Cearte) e do Instituto Superior de Artes (Isartes), disse Adérito Rodrigues,  permitiu aliar os conhecimentos teóricos a prática.
Adérito Rodrigues realçou que o festival permitiu dinamizar e divulgar ainda mais o teatro, particularmente dos grupos de Luanda. Devido à adesão dos grupos de Luanda, explicou, exigiu um maior esforço da organização, por forma a garantir que as necessidades básicas e preliminares estivessem sempre aos dispor dos participantes.
O CIT, na perspectiva de Adérito Rodrigues, ajudou a mudar a imagem do país além fronteiras sobre o que tem sido feito ao longo desses anos na promoção das artes. “Foi uma oportunidade para a promoção, valorização e divulgação da realidade das artes cénicas em particular do teatro e da cultura nacional.”

Ginástica financeira

Adérito Rodrigues explicou que as dificuldades financeiras não permitiram ter os grupos estrangeiros por muito mais tempo em Luanda, impossibilitando a trocarem experiências com outras companhias de teatro angolanas.
Apesar da “ginástica” financeiras, devido aos parcos recursos da organização,   Adérito Rodrigues garantiu que as principais metas foram alcançadas, prevendo melhoria, e uma saúde financeira melhor nas próximas edições do CIT.
Adérito Rodrigues  afirmou ser importante continuar-se a apostar na formação, por formas a melhorar a qualidade dos espectáculos realizados pelos grupos no país. “O surgimento de vários festivais tem permitido aproximar os artistas, e permitir fazer uma análise comparativa sobre o passado e o futuro do teatro desenvolvido pelos grupos nacionais.”
A importância de uma maior parceria entre os escritores nacionais e os grupos, foi apontada por Adérito Rodrigues como um dos “caminho necessários para se melhorar conteúdos dos textos apresentados nas obras de teatro”.

Incentivo institucional


A falta de salas apropriadas para a exibição de espectáculos de teatro e de outras expressões artísticas tem sido uma das dificuldades enfrentadas diariamente pelos grupos, ao longo desses anos de trabalho, e é uma preocupação  manifestada pela classe artística, disse Adérito Rodrigues
Para dar resposta as essas inquietações, Adérito Rodrigues enalteceu os apelos que os ministérios da Cultura e da Educação, e o Governo da Província de Luanda têm feito às instituições públicas e privadas, no sentido de se criarem parcerias com os criadores de arte para se aproveitar e explorar melhor todos aqueles espaços inactivos.
Fruto desses incentivos do Executivo, o Isartes foi o local escolhido   para descentralizar as actividades realizadas na maior parte das vezes nos locais habituais.

Criação artística 


A criação artística e a adaptação de textos de escritores foi um dos pontos debatidos durante a realização de oficinas de teatro e seminários que serviram para troca de experiência entre actores e encenadores nacionais e estrangeiros, tendo se aproveitado o conhecimento dos grupos mais experientes.
O CIT, enquadrado no projecto “Cultura para Todos”, iniciativa da Companhia de Teatro Pitabel, com a realização do festival internacional, contemplou além de exibições de peças de teatro e mesas-redondas, visitas a locais históricos.
“A adaptação de textos dos escritores nas peças de teatro”, “O crescimento do teatro em ambos países”, “Os conteúdos” e “O processo de criação artística para o desenvolvimento das artes cénicas” foram alguns dos temas debatidos.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA