Cultura

Festival da Canção da LAC privilegia fusão de ritmos

Amilda Tibéria

A comissão organizadora da 21.ª edição do Festival da Canção de Luanda, que se realiza no dia 21 deste mês, apresentou na quarta-feira os dez concorrentes deste ano, durante uma conferência de imprensa realizada na rádio Luanda Antena Comercial (LAC).

Anabela Aya (à esquerda) e membros da produção do festival
Fotografia: Miqueias Machangongo | Edições Novembro

Trata-se de Carla Moreno, Cláudia Wime, Wilder Amado, Josina Ngeto, Stévio Hélvio, Márcia Augusto, Tyller, Jlo Jordânia, Konstatino e Heróides Domingos. Segundo Carla Romero, directora executiva do Festival da Canção de Luanda, as propostas musicais foram aprovadas entre 130 concorrentes.
Este ano, a organização do festival privilegia a fusão entre a tradição e a modernidade, razão pela qual Ndaka yo Wiñi, um artista influenciado pelo folclore, é o convidado especial.
O júri composto por Raúl Fernandes, Alcino Semedo, Lito Costa e Marta Santos vai avaliar as canções para a atribuição do Grande Prémio, Melhor Produção, Melhor Interpretação, Melhor Letra e Melhor Voz, enquanto o prémio LAC-Unitel é concedido através do voto dos ouvintes da emissora.
O Festival da Canção de Luanda, refere o regulamento do concurso, privilegia a canção entendida como género literário do modo lírico, valorizando a melodia, a harmonia e o ritmo (lento e moderado).
Questionado sobre a projecção nacional e internacional do vencedor do concurso, Paulo Costa, director de programação do Festival da Canção de Luanda, disse que, além da gravação, a organização vai ajudar na divulgação e promoção do disco a nível nacional, e quiçá, internacionalmente.
Organizado em alusão ao 26.º aniversário da Luanda Antena Comercial (LAC), assinalado a 25 deste mês, o festival tem por objectivo incentivar a composição e interpretação da canção, procurando uma simbiose entre a tradição, apoiando a criação  de originais de qualidade.

Tempo

Multimédia