Cultura

Festival Internacional de Capoeira em Luanda

O Festival Internacional de Capoeira Mandara-Angola decorre até hoje, às 18h00, no Lar Kuzola, está a ser dirigido, desde ontem, pelo mestre espanhol Luís Júnior, representante da capoeira Mandara em França, bem como, do contra mestre Cacau, de origem brasileira, nacionalizado espanhol, representante da Capoeira Mandara em Espanha.

Festival promoveu a troca de experiências entre capoeristas
Fotografia: João Gomes | Edições Novembro

O dia de hoje do festival está reservado ao baptizado, troca de cordas, formatura de nove professores e um mestre. Ontem, realizou-se o 1º Campeonato Capoeira Mandara.
O festival, a ser realizado pelo Centro Cultural Dr. António Agostinho Neto, em Catete (CCAANeto), no âmbito da Lucengomono Companhia dʼArtes, tem a parceria do Núcleo Nacional de Recolha e Pesquisa da Literatura Oral – NNARP. Este festival visa saudar o dia da Independência da República de Angola, tendo em conta que a arte capoeira, representa igualmente outras formas de luta contra o regime da opressão colonial.
A capoeira é de origem angolana, estudada e difundida pela República Federativa do Brasil. Compreende os componentes arte marcial, desporto, cultura popular, dança e música. É difundida de modo oral e gestual, em zonas rurais e urbanas. A capoeira possui três estilos (capoeira Angola, regional e contemporâneo) que se diferenciam nos movimentos e no ritmo musical de acompanhamento.
A capoeira Angola é a mais antiga, considerada a mãe dos outros estilos e mais próxima da capoeira jogada pelos escravos africanos mais antigos, criado na época da escravidão.
Em Angola, a Capoeira Mandara é coordenada e representada pelo contra mestre Bode Velho (Abel Noé Seque), com uma prática iniciada no Abadá, desde 2000 constituindo a primeira escola “escravos da capoeira”.

Tempo

Multimédia