Festival Nacional de Cultura promove a diversidade

Manuel Albano|
12 de Agosto, 2014

Fotografia: Kindala Manuel

O Festival Nacional de Cultura (FENACULT) é uma “porta aberta” para promover a diversidade dos produtos dos criadores culturais angolanos, fruto da sua dimensão, afirmou, em Luanda, a ministra da Cultura, Rosa Cruz e Silva.

Durante um encontro com os promotores de espectáculos e agentes culturais, no âmbito  do FENACULT'2014, a ministra explicou que a ideia é levar ao público tudo o que é feito no o país, nas disciplina da dança, teatro, música, artes plásticas e cinema. A reunião com os promotores de espectáculos e agentes culturais, disse, serviu para mobilizar e sensibilizar a participação activa de todos, na execução da programação para movimentar os criadores angolanos.
“Queremos que a festa seja um veículo de transmissão de conhecimento e que toda produção cultural seja integrada nesta movimentação”, destacou a ministra.
A participação activa de todos os agentes culturais é o desejo da ministra, que espera que o festival possa ser um espaço de coesão, unidade nacional e projecção das artes angolanas.
A ministra explicou que os 600 milhões de kwanzas orçamentados para o festival são insuficientes, por isso, conta com a parceria  e participação dos empresários nacionais e estrangeiros. 
Cláudio Fonseca, produtor e organizador de manifestações culturais no município do Cazenga, disse ao Jornal de Angola que a realização do Festival Nacional de Cultura vai ajudar a promover as artes nos bairros.
“Estamos todos mobilizados para fazermos do FENACULT a maior festa  cultural que o país já viu”, afirmou o produtor.
O secretário-geral da Cooperação de Artesão, João Isabel, disse que a intenção é salvaguardar e enaltecer a cultura, através das peças de artesanato. “É importante que o festival consiga mobilizar também os criadores angolanos na diáspora, de maneira a criar uma coesão nacional”, disse o responsável.
De acordo com o programado festival  apresentado pela organização, a segunda edição do Festival Nacional de Cultura, que se realiza em todo o país de 30 de Agosto a 20 de Setembro, tem a cerimónia de abertura marcada para o Estádio Nacional 11 de Novembro, em Luanda. Na cerimónia vão estar representada todas as províncias.
Os músicos Manu Dibangu e Ismael Lo são os convidados especiais do festival, dando-lhe um cariz internacional.
Sob o lema “A cultura como factor de paz e desenvolvimento”  vai contar ainda com espectáculos de música, dança e teatro, sessões de filmes, lançamentos e feiras de livros e de discos, desfile de moda, exposição de artes plásticas, instalações artesanais e gastronomia.
O FENACULT deste ano vai homenagear também o Presidente José Eduardo dos Santos, pelo seu papel na defesa da angolanidade, assim como empenho e dedicação em prol da valorização e desenvolvimento das artes e da cultura angolana.
A actividade vai igualmente servir para assinalar o 90º aniversário do nascimento do primeiro presidente de Angola, António Agostinho Neto, com a realização de uma gala dedicada ao “Herói Nacional”, a 17 de Setembro.

Prémio Cordeiro da Mata

O director da Biblioteca Nacional, João Pedro Lourenço, informou, ontem, em Luanda, que a instituição vai lançar, durante o FENACULT, o prémio literário Cordeiro da Mata.
O prémio pretende homenagear Cordeiro da Mata enquanto “pai da literatura angolana” e dar mais e melhores oportunidades aos potenciais escritores que se candidatarem. João O objectivo é trabalhar com as universidades, no intuito dos professores e estudantes poderem concluir os seus trabalhos de fim de curso, no domínio da linguística e das ciências sociais. Para João Pedro Lourenço, o FENACULT vai servir como ponto de promoção da coesão, unidade e diversidade cultural de Angola, assim como da preservação e divulgação da identidade nacional.

Exposição e atelier

O programa do II Festival Nacional de Cultura (FENACULT) inclui a realização de exposições e ateliers multidisciplinares, no Marco Histórico do Cazenga, em Luanda, anunciou ontem o director da Biblioteca Nacional.
João Pedro Lourenço disse à Angop que a exposição e o atelier vão ter um formato de mini FENACULT, com espaço para albergar os vários espectáculos de dança, música, teatro, assim como feiras do livro.
A actividade visa, sobretudo, incentivar o hábito de leitura e outras actividades culturais. Durante o FENACULT vai ser realizada, na Biblioteca Nacional, uma exposição de capas de discos e posters de filmes nacionais, a partir do dia 8 de Setembro, com base no acervo da Rádio Nacional de Angola.
“O FENACULT serve também como ponto de promoção para a coesão, unidade e diversidade cultural de Angola, assim como da preservação e divulgação da identidade nacional”, disse o responsável, acrescentando que, entre os propósitos do festival, consta também uma revisão do estado actual do sector cultural, assim como dar mais oportunidade aos criadores nacionais.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA