Figuras históricas devem ser divulgadas

Helma Reis
11 de Julho, 2014

Fotografia: Jornal de Angola

O director do Centro Cultural Agostinho Neto apelou ontem, em Luanda, as entidades de direito a facilitar as informações sobre as principais figuras históricas que se destacaram durante muitos anos no país.

Amarildo da Conceição, que dissertava para adolescentes e jovens na conferência sobre o tema “Uma incursão à obra de Agostinho Neto”, lembrou que o país também dispõe de muitas boas referências que se destacaram em muitas áreas, com destaque para a música, política e desporto.
Considerou que mais do que criticar, ainda vamos a tempo de fazer alguma coisa e essa nobre missão é tarefa de cada membro da sociedade.
“Hoje os jovens estão mais inclinados para as referências do exterior, porque existe uma cultura diferente de comunicação e de colocar informações em suportes digitais, cultura que nós ainda não temos de forma profunda, daí a razão que os leva a se interessarem pelas referências externas”, disse.
Amarildo da Conceição disse ainda que a instituição que dirige tudo tem feito para estar mais próxima da juventude, crianças e adolescentes, dos bairros Sambizanga e Operário, no sentido de lhes potenciar e lhes dar referências para a construção das suas personalidades e identidade.
Sublinhou ainda que nos dias de hoje não se verificam jovens à procura de informações relacionadas com a vida e obra de Agostinho Neto, tendo defendido que devem ser os adultos a levar o testemunho e a fazer com que eles se interessem sobre os ideais do antigo Presidente da República.
“Temos vindo a desenvolver trabalhos à volta daquele que foi o nosso patrono, e hoje não fugiu à regra, uma vez que notamos que existe um desconhecimento muito grande não só por parte da camada juvenil, mas um pouco por toda a sociedade, no que concerne a vida e obra de Agostinho Neto, uma grande referência da história contemporânea do país”, sublinhou o director do Centro Cultural Agostino Neto.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA