Cultura

Filipe Mukenga recorda os Beatles em concerto

Manuel Albano

Filipe Mukenga será o primeiro homenageado do projecto cultural “Por Angola”, durante um espectáculo a ser realizado no domingo, a partir das 16h00, no pátio frontal ao Memorial Dr. António Agostinho Neto, em Luanda.

Filipe Mukenga promete transmitir às novas gerações a sua experiência de vida e dos palcos
Fotografia: Eduardo Pedro| Edições Novembro

O espectáculo terá transmissão em directo na live streaming no facebbok e instagram do Caixa Angola e youtube do Memorial Dr. António Agostinho Neto.

Em declarações, ontem, à imprensa, o cantor disse ter preparado um “repertório cronológico” desde os anos 60, início da carreira musical, até aos dias actuais. Como recordar é viver, Filipe Mukenga garantiu recuar aos anos dourados dos Beatles, para interpretar um dos maiores sucessos da banda britânica, o tema “And I love her”.

A banda britânica, disse, teve uma significativa influência na construção estética e melódica da sua carreira artística. Durante o espectáculo, que tem como tema central a vida e obra de um dos maiores compositores, intérpretes e cantores nacionais, Filipe Mukenga garante que vai rebuscar os melhores sucessos da carreira para presentear os telespectadores. “Vou interpretar canções que surgiram antes e depois da Independência Nacional. Temas que marcaram muito a minha forma de ser e estar na vida”.

“Observador discreto” dos fenómenos sociais universais, Filipe Mukenga, ao longo dos anos, tem procurado transportar, nos versos das canções, os lugares e sítios, amores e paixões, bem como figuras importantes da matriz cultural angolana, com a subtileza de um mestre.

Toda essa experiência de vida e dos palcos nacionais e internacionais tem sido também transmitida às novas gerações de cantores, que o vão acompanhar na homenagem como Ana Bela Aya, Sandra Cordeiro, Filho do Zua, O Biura, Agre G, Kizua Gourgel, Jorge Semedo e a banda Maravilha.

Diversidade
A comissão instaladora da Associação Angolana dos Profissionais e Produtores de Eventos e Cultura (APPEC), nesta primeira actividade sócio-cultural e musical, decidiu, igualmente, incorporar outras disciplinas artísticas como o teatro, artes plásticas, literatura, DJ, dança e os prestadores de serviço.

De acordo com a representante de moda e eventos da APPEC, Karina Barbosa, ao longo das três horas de espectáculo, em vários cenários a serem montados, vão sempre respeitar o distanciamento social recomendado para se evitar a propagação da pandemia da Covid-19.

Segundo a responsável, os músicos vão estar distribuídos em palcos e na sua maioria vão-se apresentar apenas no formato (piano/voz e violino/voz), para proporcionar um concerto mais acústico.

Explicou que a classe dos prestadores de serviço e das grandes feiras, que têm um papel relevante e representativo nos eventos culturais, um dos sectores mais afectados com a paralisação de todas as actividades culturais no país, vão dar o suporte técnico.

Karina Barbosa frisou que vão ser montados vários palcos, nos quais vão ser realizadas performance de outras vertentes artísticas. “É um espectáculo de variedade para a recolha de donativos para fazer chegar aos prestadores de serviço, que muito contribuem para o crescimento do sector cultural no país”.

Quanto à responsabilidade social da APPEC, explicou, que o objectivo do programa cultural “Por Angola” visa realizar vários eventos culturais pelo país, em solidariedade com os mais necessitados. “Queremos mostrar a importância da valorização de sectores pouco visíveis na dinâmica dos acontecimentos culturais e que precisam de um maior incentivo”.

Tempo

Multimédia