Cineasta Roman Polanski recebe um prémio na Suiça


31 de Julho, 2014

Fotografia: DR

O realizador de cinema Roman Polanski faz em Agosto a sua primeira apresentação pública em quase cinco anos na Suíça, onde foi detido e cumpriu vários meses de prisão domiciliar em 2009 e 2010.

O polémico realizador apresenta a 14 de Agosto, com a esposa e actriz Emmanuelle Seigner, no 67º Festival de Cinema de Locarno, o seu último filme, “Vénus das Peles”, anunciaram os organizadores.
No dia seguinte, Polanski dá uma palestra a jovens cineastas e recebe um prémio especial.
O polaco-francês foi detido em Setembro de 2009 em Zurique, onde recebia uma homenagem pela sua carreira, devido a uma ordem de detenção internacional emitida em 2005 por ter mantido quase três décadas atrás relações sexuais com uma menor nos Estados Unidos.
Polanski foi libertado dois meses mais tarde após pagamento de uma fiança de três milhões de euros e ficou em prisão domiciliar na sua casa em Gstaad.
A Justiça suíça examinou durante meses os fundamentos do processo de extradição que recebeu dos Estados Unidos  sobre Polanski e em Julho de 2010 decidiu repeli-la.
Apesar de tudo, a Interpol emitiu uma circular internacional em que lembrava que Polanski continuava a ser considerado fugitivo.
Por isso, os únicos três países onde Polanski pode continuar livre são a França e a Polónia (por ter nacionalidade de ambos) e a Suíça.
“Realizador, actor, produtor e argumentista, Polanski teve um profundo impacto na história do cinema moderno. O seu humor sem falhas e a sua capacidade para dominar grande variedade de estilos, enquanto retém uma visão coerente do cinema, fazem dele um mestre dessa arte”, destacaram os organizadores do Festival num comunicado.
Entre os filmes mais aplaudidos que Polanski produziu estão “Repulsa ao Sexo” (1965), com Catherine Deneuve, “O Bebé de Rosemary” (1968), com Mia Farrow, “Chinatown” (1974), com Jack Nicholson, e “O Pianista” (2002), com Adrian Brody.
“Tenho a certeza de que a oportunidade de encontrar um realizador de filmes que resiste a todas as formas de dogmatismo vai ser um dos momentos mais emocionantes do Festival”, declarou Carlo Chatrian, director artístico do acontecimento.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA