Cinema nacional exibido em Rabat


26 de Novembro, 2015

Fotografia: Santos Pedro

O filme “Herói”, de Zézé Gamboa, que retrata as sequelas da guerra civil angolana, encerrou ontem no cinema 7ème Art de Rabat, em Marrocos, uma sessão de cinema angolano, que decorreu durante três dias,  em alusão ao 11 de Novembro, dia da Independência Nacional.

O filme retrata o facto de após uma violenta guerra civil de 27 anos, Angola encontrar-se numa situação em que tudo está por refazer. A reconstrução Nacional passa necessariamente pelo reencontro de valores morais e pela reintegração de seres por vezes perdidos e mutilados física e espiritualmente, que precisam encontrar o seu lugar como elementos válidos de uma sociedade, ela própria em reanimação, e reencontrar a sua dignidade como humanos.
A sessão de cinema angolano em Marrocos abriu, segunda-feira, com a exibição do filme “Njinga, Rainha de Angola”, em cerimónia   presidida pelo embaixador angolano em Marrocos, Benigno Vieira Lopes, e contou com a participação de diplomatas, representantes de organismos internacionais, estudantes africanos, críticos de arte  e jornalistas. Alguns dos estrangeiros presentes na sessão elogiaram o filme pela sua qualidade e temática. Para o crítico de arte  Saadia Abenauom, o filme é “esplêndido e extremamente africano, facto que demonstra a qualidade dos cineastas angolanos”. Já a haitiana Elsa Salomé disse estar orgulhosa com os feitos da Rainha Njinga, por ter lutado pela liberdade do seu povo.
“Njinga, Rainha de Angola” é um filme biográfico angolano realizado por Sérgio Graciano e escrito por Joana Jorge. O filme conta a história da guerreira africana Ana de Sousa. Foi lançado nos cinemas angolanos a 8 de Novembro de 2013.Ontem, foi exibido o filme “Kilamba, o Poeta Guerrilheiro”, um retrato biográfico do percurso do primeiro Presidente de Angola, António Agostinho Neto.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA