Falta de artistas formados inquieta cineasta francesa


21 de Outubro, 2014

A realizadora francesa Ariel de Bigault disse ontem à Angop que “os angolanos têm muito potencial para criar e fazer filmes” e que Luanda dispõe de inúmeros cenários propícios à realização de documentários.

A cineasta francesa, que manifestou a sua opinião à margem da inauguração de um seminário sobre documentários promovido pelo Instituto Angolano de Cinema Audiovisual e Multimédia (IACAM), referiu que, “apesar de todo o potencial, os realizadores angolanos não conseguem produzir mais filmes, devido a falta de incentivos e de uma formação especializada que os ajude a entender algumas das novas técnicas utilizadas na profissão”.
Ariel de Bigault declarou ser fundamental acompanhar “a dinâmica actual da produção cinematográfica.”
Os jovens angolanos, prosseguiu, podem atingir o nível de outros realizadores africanos e europeus se tiverem formação adequada e financiamentos, pois “o cinema acarreta muitos custos.”
No seminário, de cinco semanas, com aulas práticas e teóricas, são versados entre outros temas a “Preparação e Desenvolvimento para Documentários”.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA