Cultura

Filme russo "Matilda" tem censura religiosa

As autoridades russas aprovaram a exibição do filme “Matilda”, que conta a história do romance entre Nicolau II e a bailarina Matilda Kschessinska, embora permaneça a dúvida sobre a exibição da obra em todas as salas de cinema.

Uma das cenas do filme “Matilda” censurado pelos ortodoxos
Fotografia: DR

O caso proibido aconteceu pouco antes de o último czar russo se casar e assumir o trono. A ideia de exibir o filme provocou desde logo manifestações de desagrado por parte dos fiéis da igreja ortodoxa russa, que vê Nicolau II e restantes membros da família do czar como santos.
Apesar de aprovar o lançamento do filme, na semana passada, em todo o território russo, o Ministério da Cultura deu autonomia para que cada região escolha se vai ou não exibir o filme nos seus cinemas.“As autoridades locais, tendo em conta as tradições e costumes, têm independência para decidir”, lê-se no comunicado divulgado à imprensa.
“Matilda” deve estrear nos cinemas no dia 26 de Outubro. Os líderes religiosos ortodoxos acusam a produção de blasfémia e chegaram a ameaçar queimar os cinemas que transmitirem o filme. />Para Natalia Poklonskaya, líder do movimento que se opõe à exibição da obra, “os santos são intocáveis. Não se pode mostrá-los a ter relações sexuais, porque isso ofende os fiéis.” Disse ainda não acreditar que se trate aqui de um caso de censura, mas de “violação de direitos.” Ou seja, a “liberdade artística não é ilimitada e não pode impedir os direitos do outro,” afirma. O realizador, Alexei Uchitel, nega que o mesmo seja ofensivo e argumenta que embora aceite que “Nicolau II e sua família são santos”, discorda que isso seja razão suficiente para que “não possamos escrever sobre as suas vidas.” A classe artística russa temia nova proibição, que se constituiria como novo precedente à sua liberdade criativa.

Tempo

Multimédia