Marroquino vence Estalão de Ouro


12 de Março, 2015

Fotografia: AFP

O filme “Fievre” (Febre) do realizador marroquino Icham Ayouch sagrou-se vencedor do Grande Prémio do Estalão de Ouro de Yennega, da 24ª edição do Festival Pan-africano do Cinema e Televisão de Ouagadougou (FESPACO), que terminou sábado em Ouagadougou, capital do Burkina Faso.

Icham Ayouch recebeu um troféu avaliado em  cerca de 40 mil dólares. Ayouch sucede  ao senegalês Alain Gomis cujo filme “Tey” venceu em 2013 a maior recompensa da bienal do cinema africano.
Por outro lado, a realizadora tunisina Leila Bouzid fcou com dois prémios especiais com a curta-metragem “Zakaria”. O primeiro prémio é oferecido pela Companhia Marroquina dos Transportes Aéreos, Royal Air Maroc, enquanto o segundo leva o carimbo de Thomas Sankara, Presidente burkinabe assassinado em 1987 num golpe de Estado.
Este segundo prémio posto em competição é uma iniciativa da Associação dos Realizadores Africanos. O filme “Zakaria” foi produzido em 2013, no sul de França, e constitui a primeira obra cinematográfica de Leila Bouzid, filha do realizador tunisino, Nouri Bouzid.
Leila Bouzid está, além disso, a realizar a sua primeira longa-metragem intitulada “Qu´Allah Protége Ma Fille”.
Este ano foram seleccionados cerca de 134 filmes, entre os 720 recebidos pelo comité de selecção, dos quais 20 provenientes de 17 países e candidatos ao prestigioso Prémio Yennenga, a mais alta distinção do FESPACO. O documentário “Tango Negro: As raízes africanas do Tango”, do realizador angolano Dom Pedro, também concorreu a esta edição do FESPACO.O filme tem a duração de uma hora e meia, e desenrola-se em volta do tango, que surgiu em meados do século XIX por iniciativa de antigos escravos negros.
A Comissão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) instituiu o prémio do Melhor Produtor de Filme como um novo galardão para o FESPACO, cuja edição deste ano arrancou a 28 de Fevereiro.
A CEDEAO é parceiro principal do FESPACO desde 1993, e o valor do novo prémio está avaliado em  17 mil dólares e vem depois do Prémio da Integração avaliado em 25.500 dólares instituído pela organização regional em 2009. O presidente da Comissão da CEDEAO, Kadré Désiré Ouédraogo, qualificou este evento bianual como o mais importante do género, destinado aos filmes produzidos por cineastas africanos.
O FESPACO decorreu sob o lema “Cinema Africano, Produção e Distribuição na Era Digital”, para salientar a evolução tecnológica em resposta às preocupações dos cineastas profissionais e a necessidade de integrar as obras da diáspora africana.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA