Cultura

Prémio Lux de Cinema divulga obras

Os filmes “Sámi Blood”, de Amanda Kernell, “BPM”, de Robin Campillo, e “Western”, de Valeska Grisebach, são os finalistas do Prémio Lux de Cinema do Parlamento Europeu.

Fotografia: DR

Esta é a 11.ª edição de um prémio criado pelo Parlamento Europeu para distinguir o cinema que se produz na Europa. Os três filmes finalistas vão ser exibidos este ano em todos os países da União Europeia.
“Sámi Blood”, exibido no ano passado no festival de Veneza e que soma mais de uma dezena de prémios, é a primeira longa-metragem da realizadora sueca Amanda Kernell e “conta a história de uma jovem da comunidade Sámi, no norte da Suécia, que sonha com uma vida diferente”.
Do argumentista e realizador marroquino Robin Campillo foi seleccionado “BPM - 120 battements par minute”, terceira longa-metragem
e que versa sobre a luta contra a indiferença perante quem tem o vírus HIV.  A lista de finalistas completa-se com “Western”, da realizadora alemã Valeska Grisebach, que passou este ano no festival de Cannes. É uma ficção sobre integração, a partir da história de trabalhadores alemães numa central hidroeléctrica na Bulgária. O filme vencedor do Prémio Lux vai ser anunciado a 15 de Novembro, em Estrasburgo. Os três filmes finalistas foram anunciados, terça-feira, em Roma, pelo Presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani.
O Prémio LUX do Parlamento Europeu foi criado em 2007, considerado o protagonista das manifestações culturais contemporâneas, procura distinguir a produção cinematográfica europeia cuja diversidade linguística representa uma riqueza única. “Do outro lado”,
de Fatih Akin, “Ida”, de Pawel Pawlikowski, e “Toni Erdmann”, de Maren Ade, são alguns dos filmes premiados
em anos anteriores.

Tempo

Multimédia