Realizador contra caricaturas


23 de Fevereiro, 2015

Fotografia: Reuters

O mestre do cinema de animação japonês Hayao Miyazaki considerou “um erro” as caricaturas do “Charlie Hebdo”, o jornal francês atacado em Janeiro, numa entrevista à emissora de rádio TBS.


O realizador disse que os cartoonistas deviam centrar-se em alvos dos próprios países.
“É um erro caricaturar aquilo que outras culturas adoram. É uma boa ideia acabar com isso”, declarou Hayao Miyazaki numa referência ao que aconteceu em Paris no “Charlie Hebdo”, atacado por dois homens armados que mataram 12 pessoas, entre as quais cinco dos desenhadores daquele semanário.
 “As caricaturas deviam ser dos políticos dos seus próprios países”, referiu Hayao Miyazaki. As palavras de Miyazaki vão contra a maioria das manifestações públicas a favor do trabalho do jornal satírico. “O alvo de ‘Charlie Hebdo’ não é apenas as religiões. Opositores do casamento gay, Marine Le Pen, François Hollande, o Vaticano, todos já foram alvo dos seus desenhos satíricos e mordazes”, disse.
Desde o ataque de Janeiro, e com o mais recente episódio em Copenhaga que tinha como alvo o cartoonista sueco Lars Vilks, ameaçado desde que em 2007 assinou uma série de cartoons onde Maomé surgia com cabeça de cão, que a discussão sobre a liberdade de expressão é grande.
Mesmo em França, muitas pessoas concordam com o mestre do cinema japonês, que é um dos homenageados este ano na cerimónia dos Óscares.
Hayao Miyazaki foi escolhido pela Academia de Cinema de Hollywood para receber um Óscar honorário, Um inquérito realizado em Janeiro revelou que um em cada quatro franceses considera um erro o jornal “Charlie Hebdo” ter publicado caricaturas de Maomé por serem ofensivas para os muçulmanos.
Hayao Miyazaki é autor de 11 longas-metragens bem acolhidas pela crítica e vencedor de um Óscar de melhor filme de animação, “A Viagem de Chihiro”. Em 2013, o realizador japonês anunciou que não fazeia mais longas-metragens, embora tencione continuar a trabalhar nos estúdios japoneses.
“The Wind Rises” é o seu último filme, apresentado no Festival de Veneza de 2013.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA