Cultura

Forró estremece Fortaleza na Festa Nacional do Brasil

Mário Cohen

Um espectáculo denominado “Arraiá Bem Brasil”, semelhante às farras de quintal realizadas pelos luandenses, marcou o 7 de Setembro, dia da Festa Nacional do Brasil, com cantores brasileiros que levaram música e dança forró à antiga Fortaleza de São Miguel, em Luanda. 

Luanda,largo do Baleizão
Fotografia: EDUARDO PEDRO

Organizada pela comunidade brasileira, em Luanda, com a finalidade de comemorar os 196 anos de Independência do Brasil, a noite de forró decorreu no pátio do Museu Militar, antiga Fortaleza de São Miguel.
A farra brasileira teve como ponto mais alto a actuação da banda do cantor Targino Gondim, que pela segunda vez esteve no país para animar o 7 de Setembro.
Enquanto se aguardava pela actuação do quinteto Targino Gondim, a banda Muxima Uami, na voz do líder, Gelson Castro, convidado para a festa, vez vibrar os espectadores angolanos e brasileiros.
Gelson Castro fez uma viagem no tempo interpretando músicas de autores nacionais e estrangeiros, que fizeram sucessos em diversas casas nocturnas da cidade capital, e em festas de aniversário, entre outros convívios. “Nosso Caso de Amor”, de Euclides da Lomba, e “Kwanza Burro”, de Matias Damásio, foram algumas das músicas que o público apreciou.
Dos cantores estrangeiros,  “Rusga de 7 e Meia”, dos Tabanka Jazz”,  “Brigadier Sabari”, de Alpha Blondy, “Mama”, de Lucke Duby, “No, Woman no Cry”, de Bob Marley, “Um Dia Frio”, de Gilberto Gil e “Rosinha”, dos Livity, foram outras canções brindadas aos espectadores.
Uma hora e meia  depois, Targino Gondim, a principal atracção da noite, sobiu ao palco com a sua banda, dando sequência ao espectáculo. Abriu com a canção “Esperando na Janela”, música que também foi regravada por Gilberto Gil, um dos maiores expoentes da música brasileira.
A música, “Esperando na Janela”, fez dançar mais de cem brasileiros, que festejavam mais um ano de Independência. Embora estejam distantes do Brasil, a data não passou despercebida.
Familiarizado com os angolanos, Targino Gondim fez questão de cantar os sucessos da banda, que mais deram visibilidade ao grupo fora do Brasil, como em alguns países da Europa, onde fizeram espectáculos nas cidades do Porto, Portugal, Paris e Bordeaux, em França, e em Amesterdão, na Holanda.
No decorrer da actuação, Targino Gondim disse que, sempre que for convidado para vir a Angola, não vai hesitar, por estar numa terra cuja cultura é semelhante à do Brasil.  “Os angolanos, além de serem acolhedores, sabem estar no espectáculo”, afirmou o cantor.
Embora o estilo musical não fosse tão familiar para os angolanos, quase metade dos espectadores eram nacionais que na Fortaleza acorreram para se juntar à festa nacional do Brasil, numa noite de forró.

 


Tempo

Multimédia