Fundação Sindika Dokolo abre sede no Porto


18 de Maio, 2015

A Fundação Sindika Dokolo vai abrir este ano a sua a sede internacional na cidade do Porto, em Portugal, segundo declarações do vice-presidente daquela instituição, Fernando Alvim.


“Além de Luanda, vamos ter uma sede internacional no Porto, um lugar de exposições, de mostras de documentos, de documentários e de acolhimento de parceiros internacionais, para a criação de sistemas necessários e urgentes”, disse Alvim à Angop,  no final da IV Conferência “Portugal e os Jovens: Novos rumos, outra esperança”, ocorrido sábado, em Lisboa.
“Ainda não podemos revelar, mas podemos dizer que estamos a 90 por cento de concluir um acordo em que deveremos ter esta sede internacional, para mostrarmos o que fazemos em Angola e no continente africano”, avançou. Rejeitando tratar-se de uma Casa de Cultura, o vice-presidente daquela Fundação considera como “casa do pensamento de angolanos e dos africanos, mesmo sabendo que a questão do panafricanismo está voltado para uma época muito específica da história africana”.
Ao intervir no encontro, ocorrido na Fundação Champalimaud, em Lisboa, Alvim alertou que “África deve entender que nos meios intelectuais do mundo há estratégias extremamente violentas contra si”.  “Viemos a Portugal fazer cultura, pôr em evidência aquilo que é um discurso estético e conceptual em várias áreas e outras disciplinas, não só nas artes visuais, mas na música e na literatura”, adiantou.
A IV Conferência “Portugal e os Jovens: Novos Rumos, Outra Esperança”, encerrado pelo presidente português, Aníbal Cavaco Silva, promotor do evento, visou “a promoção de uma reflexão prospectiva sobre alguns problemas da sociedade portuguesa, que exigem abordagem aprofundada e multidisciplinar”.
A exposição “You Love Me, You Love Me Not - Arte contemporânea na coleção Sindika Dokolo”, que encerrou ontem na cidade do Porto, reuniu obras de 50 artistas de várias nacionalidades na Galeria Municipal Almeida Garrett.
“Trata-se da mais importante mostra da colecção da Fundação Sindika Dokolo alguma vez concretizada”, segundo a Câmara Municipal do Porto.
A exposição dedicou especial atenção à obra de artistas africanos contemporâneos, como Samuel Fosso, Cameron Platter, William Kentridge, Yonamine, David Goldblatt, Kendell Geers e Nástio Mosquito, embora também inclua obras de artistas não africanos, como, por exemplo, Marlene Dumas, Nick Cave e Kara Walker.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA