Cultura

Gabriel Tchiema quer uma maior divulgação

Gabriel Tchiema destacou em Saurimo, província da Lunda- Sul, “a necessidade de uma estratégia bem definida, quer por parte do Estado, através do Ministério da Cultura, quer dos artistas, para a escolha de mercados internacionais atractivos e receptivos à internacionalização da música angolana.”

Fotografia: DR

Em declarações à Angop, à propósito do actual estado da cultura angolana, Gabriel Tchiema considera “fundamental olhar para o mercado internacional e compreender que tipo de estratégias de exportação se podem adoptar, mediante os objectivos, tipo de música e artistas que se pretende internacionalizar.”
O também director da Cultura na Lunda-Sul, sublinhou que “o processo de in-ternacionalização da música angolana vai continuar a debater-se com a ausência de reconhecimento da sua importância, com a consequente falta de apoios estatais ao necessário investimento exportador.”
Para Gabriel Tchiema é indispensável a criação de fontes de recursos financeiros, para que os músicos possam criar estruturas que lhes permitam estabelecer parcerias com artistas já projectados no mundo.
O artista afirmou que, neste momento, “o que está a ser internacionalizada é a música feita em Angola.”
“Os mercados mais exigentes, como a Europa , América e alguns países africanos, ainda não consomem a música angolana, daí, que considero incoerente quando alguns músicos aparecem em público a afirmar que estão a internacionalizar-se, porque fazer um espectáculo fora do país, na maioria das vezes para as comunidades angolanas, não define a internacionalização da música angolana”, frisou.
Reconheceu, que já houve momentos em que a música angolana, a original, como o semba, por exemplo, estava a caminhar para a internacionalização, através de Waldemar Bastos, Bonga e Paulo Flores.

Tempo

Multimédia