Cultura

Governo do Uíge pretende recuperar peças roubadas

Silvino Fortunato | Uíge

Identificar e recuperar as várias peças roubadas do Museu Etnográfico do Congo, na cidade do Uíge, durante o conflito armado, é uma das prioridades nos próximos anos do governo local, segundo o director do Gabinete Provincial da Cultura.

Fotografia: DR

Em declarações ao Jornal de Angola, sobre o repto lançado à sociedade civil, pesquisadores e historiadores, José Caricoco admitiu que muitos dos artefactos roubados encontram-se na vizinha República Democrática do Congo (RDC), em aldeias da província do Uíge e outros em parte incerta. “Queremos o apoio dos especialistas na matéria para nos ajudarem a identificar e trazer de volta as inúmeras peças roubadas pertencentes ao Museu do Congo”, disse o director.
Alguns dos objectos, recordou, fazem referência ao Antigo Reino do Kongo, cujo centro histórico de Mbanza Kongo, na província do Zaire, foi classificado em Julho de 2017, pela UNESCO, como Património Mundial.
José Caricoco ressaltou que está em carteira a recolha e inventariação do acervo etnográfico existente nos 16 municípios da província do Uíge, em parceria com as administrações municipais, para se reforçar o acervo do museu, que conta com apenas 160 peças, representadas por fotografias, esculturas sobre o poder tradicional, agricultura, pesca, circuncisão tradicional, produção do café e outros factos históricos, com realce para a batalha de Ambuíla.  
    
Garantia de reabilitação
O governador da província do Uíge, Pinda Simão, lamentou, quinta-feira, durante uma visita de constatação, o estado actual de degradação do edifício do Museu do Congo e garantiu trabalhar para a reabilitação da instituição museológica. “Vamos fazer um levantamento do que deve ser feito para a melhoria do estado físico do edifício e do espaço envolvente”.
Mudar o actual figurino, disse o governador, faz parte das prioridades do programa de acção do Governo do Uíge.

Tempo

Multimédia