Grupo Yala Nkuwu vence em Mbanza Congo

Kayila Silvina | Mbanza Congo | Victor Pedro | Sumbe | Adolfo Mundombe | Huambo
18 de Fevereiro, 2015

Fotografia: Garcia Mayatoko | Mbanza Congo

O grupo carnavalesco Yala Nkuwu venceu a edição 2015 do Carnaval, na classe infantil, em Mbanza Congo, província do Zaire, durante um desfile que contou com a participação de 12 grupos da região.

Yala Nkuwu, que totalizou 253 pontos, retratou nas suas canções e apresentação a candidatura da cidade de Mbanza Congo a Património Mundial da UNESCO e os esforços do Executivo na preservação da história, dos hábitos, usos e costumes da região.
O grupo vai receber como prémio da comissão organizadora provincial do Carnaval o valor de 500 mil kwanzas. Esta é a quarta vez que o grupo Yala Nkuwu vence o Carnaval na região, tendo conquistado os títulos nas edições de 2005, 2008 e 2013.
O grupo Ngangula totalizou 248 pontos, ficou na segunda posição e vai receber como prémio o valor de 350 mil kwanzas, ao passo que Unidos de 4 de Fevereiro ocupou o terceiro lugar, tendo como prémio 275 mil kwanzas. Os restantes grupos concorrentes vão ter direito a 40 mil kwanzas cada.
A administradora municipal de Mbanza Congo, Isabel Nlandu Morena, reconheceu que este ano registou uma evolução e inovação no desfile dos grupos carnavalescos da classe infantil da região.
Isabel Morena disse que as crianças interpretaram e demonstraram nas suas indumentárias, coreografias e canções mudanças significativas em relação às edições anteriores.
“Os grupos evoluíram muito, conseguimos ver que a tradição, os hábitos e costumes locais dos nossos povos estão a ser bem transmitidos às crianças”, reconheceu.
Morena apelou à classe empresarial da região no sentido de apoiar os grupos carnavalescos, a fim de contribuírem para o crescimento da cultura nacional.
Nzuzi Makiesse, presidente do júri, disse que para a classificação e apuramento dos grupos vencedores foram avaliados critérios de melhor dança, canção, painel, comandante, alegoria, falange, indumentária e tradição local.
Makiesse aconselhou os grupos a estarem mais preparados e organizados em termos de danças, canções, instrumentos e letras musicais, bem como para retratar bem os valores culturais nas próximas edições.
O desfile municipal do Carnaval na classe infantil, em Mbanza Congo, foi testemunhado pelo governador provincial em exercício, Alberto Maria Sabino, incluindo membros do Governo e da Administração de Mbanza Congo.
 
Província do Cuanza Sul

A marginal do Sumbe acolheu a abertura da 37ª edição do Carnaval 2015, na qual desfilaram sete grupos dos dez inicialmente previstos da classe B, que exibiram danças e músicas que reflectem a tradição da província do Cuanza Sul.
No desfile, durante o qual o público vibrou bastante, participaram os grupos Ngola Kimbanda, da Gangula, município do Sumbe, Muxitu, da 7ª Velha do Amboim, Chimbuala, do Seles, Katurizembe da Pinda, de Porto Amboim, Cacongo, de Kassongue, Kimbuelela de Ngola Mussungo, de Porto Amboim e Lumbo da Panda, de Gangula.
Ausentes do desfile estiveram os grupos Semba 4 de Fevereiro, de Porto Amboim, António Agostinho Neto, da Pumba e Havemos de Voltar, do Nhengo, ambos da comuna de Gangula.
O grupo Chimbuala do Seles foi o primeiro a desfilar perante a tribuna. Durante a sua actuação, apresentou uma canção na qual enaltece os heróis nacionais como Agostinho Neto, Hoji-ya-Henda e Rei Mandume, assim como evocou a falta de emprego no seio da juventude, fome e pobreza.
Lourdes Chimbumba, líder do grupo, disse que o tributo prestado aos feitos dos heróis nacionais visou perpetuar os seus ideais e os seus nomes como exemplos a seguir.
Os seus feitos devem ser explicados às futuras gerações, utilizando as línguas nacionais para que também seja conhecida a verdadeira identidade. O grupo da Chimbuala do Seles, fundado em 1987, já participou em várias edições do Carnaval no Cuanza Sul, tendo conquistado lugares de destaque. O grupo é formado por 81 elementos, que ao som do batuque, cantaram e encantaram o público presente na marginal do Sumbe.
Alguns líderes dos grupos carnavalescos tradicionais da classe B elogiaram a nova forma de classificação da Direcção Provincial da Cultura, que consiste em premiar os grupos que dançam os estilos tradicionais como o kangondo e katita, para incentivar a investigação cultural e melhorar a sua divulgação a nível da província.
Cardoso Manuel, responsável do grupo Lumbo da Panda, disse que nas edições passadas a classificação era feita simultaneamente com os grupos que utilizavam instrumentos musicais e indumentária modernos, facto que impedia uma classificação equilibrada dos grupos tradicionais por parte do júri.
Nas edições anteriores o júri baseava-se apenas em critérios modernos para classificar os grupos, congratulando-se com o novo critério adoptada nesta edição do Carnaval.
Monteiro João, responsável do grupo Kimbuelela, de Ngola Mussungo, também está satisfeito com o novo critério de avaliação dos grupos tradicionais, por permitir manter acesa a chama das origens e tradições dos antepassados para as futuras gerações.
“É um incentivo para as crianças, adolescentes e jovens a criarem interesse pelas danças, músicas e ritmos africanos que nortearam a nossa cultura e identificam-nos como nação, povo e pessoas que têm história para retratar, adequando aos novos tempos, sem deixar a antiga realidade”.

Okutiuka do Huambo


O grupo Okutiuka (Regresso), do município sede do Huambo, venceu o Carnaval edição 2015, na classe infantil, ao conquistar 235 pontos, por apresentar a melhor coreografia, criatividade, talento e organização, durante o desfile realizado no Largo Saidy Mingas.
Na segunda posição ficou Fogo da Paz, com 228 pontos, seguido de União Njinga Mbandi. O grupo Okutiuka, que venceu pela oitava vez o Carnaval infantil na província do Huambo, vai receber como prémio 900 mil kwanzas.
O segundo classificado recebe 600 mil kwanzas e o terceiro 500 mil kwanzas.
O prémio de melhor canção foi atribuído ao grupo “Rainha do Milho”, do município da Caála, que recebeu 50 mil kwanzas, o mesmo valor para a melhor rainha, do grupo União Njinga Mbandi, sendo o título de melhor comandante ficado na galeria do grupo Okutiuka.
O director provincial da Cultura, Pedro Nambongue Tchissanga, louvou a forma como os 16 grupos se exibiram, demonstrando evolução na coreografia e organização.
“Estamos num bom caminho para a manutenção do Carnaval na província, pois os grupos infantis estão a demonstrar evolução em cada edição”, realçou.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA