Cultura

Grupos carnavalescos mostram destreza hoje na Marginal

Manuel Albano

O grupo União Kiela do Sambizanga, na classe A, é a primeira agremiação a desfilar, hoje, a partir das 17h00, no Carnaval 2020 da capital do país, na Marginal da Praia do Bispo.

Fotografia: DR

De acordo com a ordem do desfile seguem-se: União 10 de Dezembro, União Jovens da Cacimba, União Recreativo do Kilamba, União 17 de Setembro, União Operário Kabocomeu, União Kazukuta do Sambizanga, União Domant, União Mundo da Ilha, Amazonas do Prenda, União Café de Angola, União Njinga a Mbandi e União 54. O União Recreativo do Ki-lamba é o detentor do título pela segunda vez consecutiva. Hoje milhares de foliões, provenientes de vários bairros de Luanda, vão à Nova Marginal da Praia do Bispo para dançar o Carnaval, a maior manifestação cultural do país.

Da Samba à Marginal

O desfile da classe B (adultos) foi ontem aberto pelo União Povo da Samba, com a ministra da Cultura, Maria da Piedade de Jesus, a testemunhar o acto. O primeiro grupo apresentou como proposta para este ano o “Turismo”.
Em declarações ontem ao Jornal de Angola, o presidente do grupo, Francisco João, disse que este ano o grupo procurou apresentar algumas inovações, no sentido de poder convencer o júri e conseguir apurar-se para a classe A. Por isso, adiantou, terem apostado num tema actual que retrata uma nova Angola. O grupo provou em palco ser possível o país apostar no turismo como fonte de desenvolvimento e criação de mais emprego para a juventude. O grupo levou mais de 300 foliões, que ao som do semba mostraram todo o trabalho desenvolvido ao longo de mais de três meses de ensaios.
O novo paradigma que o país está a seguir foi a proposta do União Juventude do Kapalanga, segundo grupo, na ordem do desfile. A educação, indústria, agricultura e saúde foram os principais temas abordados pela juventude proveniente do município de Viana.
O novo paradigma “Um modelo ou exemplo” era a mensagem escrita no painel do grupo, que levou mais de 700 pessoas ao desfile. Contrariamente aos anos passados, o grupo decidiu apostar forte na alegoria. “Este ano estamos mais confiantes, porque houve um investimento no carro alegórico que tem sido o ponto negativo do grupo no passado”, explicou.
Vizinhos, mas com estilos diferentes, o União Twabixila, que apresentou o estilo de dança dizanda, apareceu no máximo da sua força, de acordo com a presidente do grupo, Teresa José Domingos. Com pouco mais de 350 foliões, o grupo homenageou a actividade desenvolvida diariamente pelas zungueiras. No seguimento actuaram ainda União Jovens do Mukuaxi, Unidos do Zango, União 28 de Agosto, União Geração Sagrada, União Povo da Quissama, União Sagrada Esperança, Unidos do Ki-lamba Kiaxi, União Angola Independente, União Giza, União Twafundumuka, União Nova Geração do Mar, União Kwanza e União Etu Mudieto. De uma forma geral os grupos apostaram em temas que falam da nova dinâmica pelo qual o país está a desenvolver nos mais variados sectores da vida social. O ano passado, o vencedor da classe B foi o União 17 de Setembro.

Huambo pronto para o “assalto”

Estácio Camassete | Huambo

Os 32 grupos carnavalescos e oito blocos de animação que participam, amanhã, no acto central do Carnaval no Huambo, têm tudo a postos para “tomarem de assalto” a avenida Alioune Blondi MBeye, na zona baixa da cidade, com o melhor da cultura local.
O chefe do Departamento da Acção Cultural, do Gabinete Provincial da Cultura, Turismo, Juventude e Desportos, Pedro Nhanga, informou ontem que todas as condições foram criadas para que a “festa do povo” decorra sem sobressaltos. “Para melhor organização foi constituída uma equipa de trabalho para acompanhar, nos 11 municípios, os ensaios dos grupos e estudar a viabilidade de apoios das administrações municipais”, adiantou.
A edição deste ano do Carnaval está avaliada em 8 milhões e 528 mil kwanzas. O vencedor da classe A recebe um milhão de kwanzas, o segundo 700 mil Kz e o terceiro 600 mil Kz.
Na classe B, para os grupos tradicionais, o prémio é de 450 mil kwanzas para o vencedor, enquanto o segundo recebe 350 mil Kz e o terceiro 250 mil Kz. Para a classe infantil, o vencedor leva para casa 600 mil kwanzas, o segundo 500 mil Kz e o terceiro 400 mil Kz.

Disciplina e urbanidade

A administradora adjunta do município do Huambo, Guilhermina Bacia, pediu maior disciplina e urbanidade dos foliões durante a “festa” deste ano, assim como reiterou os apoios aos grupos locais, em termos de transporte, serviços de saúde e acomodação.
A dirigente chamou a atenção para a poluição sonora verificada ao longo da exibição dos grupos e informou que a administração municipal estabeleceu um período limite para as comemorações, das 10h00 às 23h00. “A fiscalização já recebeu orientações para estar atenta a actos do género, criados para incentivar o vandalismo, assim como prestar atenção às transgressões”, disse.

Cabinda já tem vencedor infantil

Leonor Mabiala | Cabinda

O grupo carnavalesco Teca Bi Yoyo, do bairro Lombo Lombo, em Cabinda, sagrou-se vencedor do Carnaval infantil deste ano, numa disputa com outros 19 grupos locais.
O vencedor foi eleito pelo júri, por totalizar 896 pontos e recebeu o prémio de 700 mil kwanzas. Em segundo lugar ficou o grupo Mayeye Bicudu bi nkuenda Bicudu bi siala, também do bairro Lombo Lombo, com 835 pontos. Pelo feito recebeu 600 mil kwanzas.
O terceiro classificado deste ano foi o grupo Yélica, do bairro 4 de Fevereiro, com 775 pontos, e recebeu o prémio de 400 mil kwanzas. Em quarto ficou o Kintueni, do bairro Comandante Gika, com 610 pontos e um prémio de 200 mil kwanzas. A rainha desta edição do Carnaval infantil em Cabinda foi Cácia de Fátima Helena, do grupo Lombo Lombo, que recebeu 75 mil kwanzas.
O governador da província, Marcos Alexandre Nhunga, considerou o Carnaval uma oportunidade única para a cultura e as tradições da província serem divulgadas. “O desfile infantil é uma prova de que o legado está a ser assegurado. Todos tiveram apresentações dignas” disse.

Tempo

Multimédia