Grupos recebem subsídios financeiros em breve

Mário Cohen e Carlos Bastos | Sumbe
9 de Janeiro, 2016

Fotografia: Paulino Damião

Os grupos carnavalescos de Luanda ainda não receberam da Associação Provincial do Carnaval de Luanda (APROCAL), os seus subsídios e materiais de apoio para o Carnaval, numa altura em que falta menos de um mês para o evento.

O secretário-geral da APROCAL, António de Oliveira “Delon”, disse ao Jornal de Angola que a entrega dos subsídios e dos tecidos aos grupos está prevista para a próxima semana. “Apesar do atraso acredito que ainda dá tempo de confeccionar as indumentárias.”
António de Oliveira reconheceu que a demora na entrega dos subsídios tem dificultado muito a preparação dos grupos. “Os alfaiates, os artistas que fazem as alegorias e as bandeiras podem subir o valor monetário até lá, o que vai dificultar ainda mais a preparação dos grupos”, lamentou.
António de Oliveira explicou que os grupos das classes A e B, de adultos, e C, de infantis, estão a ultimar as suas canções nos estúdios. “O trabalho fica concluído esta semana e as canções são apresentadas ao publico na próxima sexta-feira, dia 15, na Liga Africana”, disse.
A Comissão Nacional do Carnaval realiza, de 25 a 30, no Museu Nacional de História Natural, em Luanda, uma exposição sobre o Carnaval, explicou o secretário-geral da APOROCAL.
Apesar das inúmeras dificuldades os ensaios dos grupos tem decorrido na maior tranquilidade. O União Mundo da Ilha ensaia todos os dias. O 54, que este ano disputa o título da classe B, já tem a canção gravada e está agora a trabalhar na coreografia.
O grupo carnavalesco União Povo da Samba, na classe A (adultos), é o primeiro a desfilar no acto central da edição 2016 do Carnaval de Luanda, que se realiza dia 9 de Fevereiro, na Marginal da Praia do Bispo. O grupo homenageado da edição 2016 é o União Kazukuta do Sambizanga, que vai participar sem carácter competitivo. Um total de 12 grupos carnavalescos vai participar no desfile Central do Carnaval.

Cuanza Sul


A actual situação financeira e o estado de organização dos grupos para o Carnaval deste ano foi debatida ontem durante um encontro entre a direcção provincial da Cultura do Cuanza Sul e os responsáveis das associações culturais.
Durante o encontro, foram apresentadas propostas para melhorar a actuação dos grupos carnavalescos.
O director provincial da Cultura, Manuel Rosa da Silva, afirmou que a solução passa principalmente pelo diálogo. “Queremos fazer uma festa condigna para o público e tornar o Carnaval numa festa mais participativa”, reforçou Manuel Rosa da Silva. O encontro serviu ainda para prestar informações sobre o regulamento do Carnaval e aconselhar os grupos a concluírem a preparação com antecedência. Actualmente, apenas estão inscritos os grupos do Sumbe, nas classes de adultos e infantis. O prazo das inscrições iniciou em Dezembro de 2015 e termina a 30 deste mês.
Os responsáveis dos grupos lamentaram o facto de o apoio dado pela comissão provincial do Carnaval ser insuficiente para suprir as suas necessidades.
Manuel Rosa da Silva prometeu recorrer a entidades nacionais no sentido de ajudar os grupos a melhorarem a sua situação financeira. “Os grupos carnavalescos precisam do apoio de todos, porque ajudam a elevar a cultura da província ao mais alto nível e são motivo de orgulho para todos os munícipes”, justificou.
O responsável pediu aos empresários para apoiarem os grupos que vão participar no Carnaval de 2016, que se realiza a 9 de Fevereiro, na Marginal do Sumbe. “A participação dos empresários locais é essencial”, reforçou.
O Governo Provincial está a elaborar um orçamento para suportar as despesas de organização do Carnaval nos 12 municípios, que inclui os prémios dos grupos vencedores dos desfiles municipais e provincial.
O grupo carnavalesco Fineza do Inconcom, do município do Sumbe, foi o vencedor da edição passada, em ambas categorias.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA