História de África em "Entre Suplícios"


10 de Dezembro, 2015

Fotografia: Dombele Bernardo

“Entre Suplícios” é o título de um conjunto de obras do artista plástico Paulo Kapela, que marca a inauguração amanhã, às 18h00, em Luanda, da galeria Hall de Lima Pimentel, um novo espaço para a promoção das artes plásticas na capital do país.

Kapela, cujas obras são referenciadas no país e no exterior entre as mais representativas da arte contemporânea angolana, apresenta em “Entre Suplícios” um conjunto de trabalhos que integram o acervo particular do coleccionador angolano Nuno Pimentel.
Utiliza diferentes técnicas, tais como desenho, colagens, textos, além da técnica de pintura peculiar da Escola de Pintura e Desenho de Poto-Poto, no Congo Brazzaville, onde formou-se em Belas Artes.
Kapela concebe também instalações e murais, e tem como inspiração a história, a política e a religião africana. Em Março expôs a primeira individual na galeria Tamar Golan, da Fundação Arte e Cultura, em Luanda.   
Em Outubro, a sua obra foi apresentada e vendida, em Londres, numa das mais prestigiadas mostras de arte a nível mundial, a Feira de Arte Africana Contemporânea “1:54”, incluindo trabalhos de Cristiano Mangovo, Mariza dos Santos, Francisco Van-Dúnem (Van), Toy Boy, Paulo Kussy, entre outros artistas.
Paulo Kapela nasceu no Uíge, em 1947,  vive e trabalha em Luanda. O percurso internacional começou em 1995, quando o seu trabalho integrou a exposição colectiva itinerante “Africa Remix”, que passou por Londres, Paris, Tóquio, entre outras cidades europeias.
Também fez parte da colectiva “Check List Luanda Pop”, da 52.ª Bienal de Veneza, da II Trienal de Luanda e do “No Fly Zone”, esta última apresentada no Museu Berardo, em Lisboa, Portugal. Em 2003, recebeu o prémio do Centro Internacional de Civilizações Bantu (CICIBA).

Coleccionador e galerista


A galeria Hall de Lima Pimentel está situada junto ao largo da Ingombota. O coleccionador e agora também galerista Nuno Pimentel é formado em Gestão de Empresas pela North London University em Londres.
A paixão pela arte surgiu ainda na adolescência, influenciado pelos amigos. A primeira obra que comprou, em 1999, é um quadro do pintor Marco Kabenda. Também teve forte influência dos jovens pintores da década de 1990, em Luanda, e pelos visitantes que frequentavam a antiga galeria Cenários, na Cidade Alta.
A sua colecção tem mais de duas mil peças, entre pintura, escultura e instalação. Inclui trabalhos de Paulo Kapela, Viteix, Paulo Jazz, Mahimba, Marcela Costa, Mendes Ribeiro, António Ole e Van, Neves e Sousa, Edson Chagas, Kiluanji Kia Henda, entre outros artistas nacionais e internacionais.
As obras têm sido, ao longo do tempo, cedidas a algumas organizações nacionais e internacionais, como a Fundação Sindika Dokolo, BAI Arte, União Nacional dos Artistas Plásticos (UNAP), Elinga Teatro e para participação em exposições como a Trienal de Luanda, Bienal de Veneza, Bienal de São Paulo, Museu de Arte Moderna de Frankfurt, Museu SAD na Geórgia, o Smithsonian Institute, em Washington.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA