Cultura

Homenagem e espectáculos no 38º aniversário do Bengo

Pedro Bica e Edson Fontes | Caxito

O grupo carnavalesco União Jovens Independentes do Kingungo, da província do Bengo, foi homenageado,  em Caxito, pelo Ministério da Cultura, pelo contributo às actividades culturais.

Fotografia: Maria João| Edições Novembro

Durante a cerimónia, que dcecorreu no fim-de-sema-na, o secretário de Estado para às Indústrias Criativas, João Constantino, disse que a província do Bengo é uma região rica que merece mais atenção.
João Constantino informou que todos os anos o Ministério da Cultura homenageia um grupo carnavalesco,como reconhecimento da actividade do seu percurso, em prol das actividades culturais, em reconhe-
cimento pelo empenho na preservação da identidade cultural.
João Constantino  apelou a uma maior coesão dos integrantes do grupo, pois  trata-se de uma formação com um percurso invejável, 40 anos de actividades, 23 prémios, entre os quais o primeiro lugar da classe infantil. Reconheceu que os 40 anos de existência do grupo carnavalesco União Jovens Independentes do Kingungo representa maturida-de e coesão.
O secretário de Estado ga-rantiu que nos próximos tempos a região é contemplada com visitas ministeriais para a revitalização das acções culturais.
Por sua vez o vice-governador para o Sector Político e Social, António Martins, disse que, a nível da província do Bengo, o grupo União Jovens Independentes do Kingungo é bastante promissor e conservador da identidade cultural.
O grupo, fundado em 1977, conta com 350 integrantes e 23 títulos carnavalescos, dos quais 15 na classe de adultos, oito infantis. Na edição deste ano, conquistou o quinto lugar. O grupo já participou em 37 edições do Carnaval provincial. O estilo de dança do grupo é o semba.

Aniversário do Bengo
Durante três dias, a cidade de Caxito, capital do Bengo, acolheu   espectáculos musicais em alusão ao 38.º aniversário da fundação da província do Bengo.
Os espectáculos decorreram no largo da Ingamba. O primeiro teve lugar na sexta-feira, com a participação de Mago de Sousa, Telma Lee, Zoca Zoca, Ivan Alexei, Valter Costa, Vozes do Nambua, Clareza, Massoxi, Eduardo Gospel, Carlos Gregório, Preto Show, Mauro Pastrana, Neru Americano, Jessica Pitbull, Liriany, Mago de Sousa e o grupo de dança Bailados do Jacaré Bangão. Na abertura, a governadora provincial do Bengo, Mara Quiosa, in-centivou a juventude a trabalhar para desenvolver a província. Além dos espectáculos e da homenagem ao grupo União jovens Independentes, o  Governo provincial realizou um encontro de reflexão, para assinalar o 38º aniversário da fundação da cidade.
O encontro serviu para analisar o estado actual da província, durante o qual a gover-
nadora reiterou o compromisso de os membros do Governo estarem cada vez mais unidos de forma a melhorarem as condições de vida da população. Mara Quiosa pediu uma governação mais participativa, por meio da qual se eleve o sentido de cidadania no seio das comunidades e dos jovens.

Danças do Bengo

A dança tradicional “Ndem-be” é uma das manifestações culturais do Bengo, das co-munas do Úcua e Kicabo, município do Dande. Permite preservar a identidade cultural desta região.
    “Ndembe” significa batuque, na língua kimbundo, foi adaptada a dança pelo chamariz da ressonância que se constitui num elemento unificador, fazendo rodopiar os admiradores. Caracteriza-se pela exercitação corporal sincronizada, através de movimentos rítmicos cadenciados, criando uma harmonia cuja coreografia consiste em unir os pares. O “Ndembe” assemelha-se a algumas danças tradicionais antigas, cuja execução rítmica consistia também nos batimentos repetiti-
vos dos pés dos cavalheiros no chão, conjugando com as palmas das mãos.  

Tempo

Multimédia