Cultura

Igrejas devem acarinhar comunidades vulneráveis

A igreja, como parceira do Estado, deve focar a sua acção nos domínios da educação, saúde e acção social, apoiando as comunidades onde estão implementadas, como forma de ajudá-las a mitigar alguns dos problemas que enfrentam e promover a sua inclusão social, afirmou em Luanda a ministra da Cultura, Carolina Cerqueira.

Director Castro Maria
Fotografia: Eduardo Pedro|Edições Novembro

A responsável, que falava durante uma audiência com membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia, referiu que a igreja não pode ser vista como um local ou meio para negócio, mas sim um centro de apoio espiritual, de resgate dos valores morais e cívicos e de exercício de cidadania,  bem como alavancar para o bem-estar das famílias.

 

Director do INAR 

A ministra Carolina Cerqueira apresentou aos trabalhadores do Instituto Nacional para os Assuntos Religiosos (INAR), o novo director, Francisco de Castro Maria. Na ocasiao, a ministra pediu aos funcionários colaboração e empenho para que a instituição possa atingir os seus propósitos.
Para guiar a acção das igrejas, o Ministério da Cultura submeteu a apreciação do Conselho de Ministros a Proposta de Revisão da Lei da Liberdade de Religião, Consciência e de Culto, Lei 02/04, de 21 de Maio. O Presidente da República criou, recentemente, uma Comissão Interministerial para o Estudo e Tratamento do Fenómeno Religioso, por considerar necessário que o Estado desenvolva acções no sentido de estancar a proliferação anárquica de igrejas e seitas por todo o país.
A comissão foi criada para dar tratamento urgente e multidisciplinar a este problema e imprimir uma nova dinâmica à estratégia gizada pelo Governo,  e é coordenada pela ministra da Cultura.

Tempo

Multimédia