Cultura

Importância histórica e patrimonial do “Kabocomeu”

Jomo Fortunato

O surgimento do ritmo sincopado e a singularidade estética da coreografia da kazucuta, dança do grupo de carnaval União Operário “Kabocomeu” podiam ser entendidos, à época, como actos de rebeldia e subversão, na ausência de estratégias intelectuais de contestação ao então regime colonial português.

Kabocomeu é um dos poucos grupos que exibe a dança kazucuta no Carnaval de Luanda
Fotografia: Kindala Manuel | EDIÇÕES NOVEMBRO

O desprestigiante e relegado décimo primeiro lugar do “Kabocomeu”, na classificação dos resultados da trigésima sétima edição do Carnaval de Luanda, poderia significar a destruição de uma tipologia coreográfica única no mundo, a kazucuta, oriunda do Sambizanga, um bairro emblemático e simbólico que vale pelo seu protagonismo cultural, social, e, fundamentalmente, político.
A verdade é que, ao Sambizanga, é normal associarmos de forma automática o processo de luta clandestina, desencadeado por valorosos nacionalistas angolanos. Na verdade, existem grupos que, do ponto de vista estrutural, estético e de existência desde o período colonial, constituem a espinha dorsal da tradição do Carnaval de Luanda, sem os quais a maior festa popular poderá estar a anunciar a sua descaracterização, ou, na mais pessimista das hipóteses, o seu fim trágico.
Estão na condição de património do Carnaval de Luanda, grupos com mais de meio século de existência, tais como: o União Kiela, o mais velho dos grupos, fundado em 1947, União Operário Kabocomeu, 1952, o célebre União 54, 1954, e o União Mundo da Ilha de 1968, grupos que, pelo seu prestígio ao longo da história, transformaram-se em verdadeiras instituições culturais do Carnaval luandense.
É curioso lembrar que na época colonial, a kazucuta era efusivamente aplaudida pelos populares, quando percorria as ruas do Sambizanga, passava pelo antigo Musseque Pedrosa, quilómetro sete, arredores do Bairro Marçal, limite da rua dos Combatentes, percorria o Bairro Operário, subia o Marçal, passava pelo Rangel, mais propriamente pela Rua da Brigada, e ia até ao bairro da Lixeira, município do Sambizanga, local da sede do grupo. Uma das características mais importantes do União Operário “Kabocomeu” é a preservação da matriz da kazukuta, há sessenta e sete anos, forma de dançar que resultou da sonoridade de execução da corneta, “Mbungo”, em quimbundo, instrumento de metal que acompanha o ritmo da percussão, e que orienta o compasso cadenciado da “Kazucuta”. Associaram-se depois outros instrumentos, ou seja, o som da batida das latas, a dikanza de metal e o apito, estando proibidos o uso de instrumentos que, pela sua natureza, descaracterizam a matriz clássica da sonoridade da kazucuta. Em relação a palavra, “Kabocomeu”, a versão mais comum defendida pelos mais antigos membros do grupo, é a que sustenta a tese de que o nome terá surgido por um fenómeno de corruptela que fundiu, por um processo de aglutinação, os verbos: “acabou” (cabou) e “comeu”, dando origem à palavra, “Kabocomeu”.

História
Grupo referencial da história do Carnaval de Luanda e vencedor da primeira edição do Carnaval do pós-independência, em 1978, o União Operário “Kabocomeu” foi fundado no dia 2 de Janeiro de 1952, em Luanda, pelo bailarino Joaquim António, o carismático, “Desliza”, operário de construção civil que trabalhou nos armazéns da firma, “Diogo e Companhia”, na época colonial. As canções “João Domingos Yó” e “Makudié”, temas clássicos e representativos do Carnaval de Luanda, são da autoria do grande “Desliza”, seu eterno e valorizado comandante. No entanto, outros nomes marcaram a vida, a história e a magnitude da obra do União Operário “Kabocomeu”: Joaquim Júnior, vocalista principal, Eugénio Filipe, vice-comandante, Adão Índio, José Manuel, dikanza, Zindoca, Antoninho, Antonica, Manuel Kilenge, Dafuba, Carlos Gouveia, Francisco Avelino, Aguenta Homem, Francisca Marcolino, Zita, Adão Alexandre e Santa Adelina, foliões que fizeram história no grupo.

Adereços
Os bailarinos trajam-se de forma variada, contudo é comum vestirem calças listadas, casacos pretos ornamentados com espelhos e outros sortilégios coloridos, muitas vezes representando a hierarquia do Exército. Os dançarinos cobrem os rostos com máscaras de animais, principalmente de porco, enquanto as mulheres vestem-se de panos estampados. Complementa a indumentária o cinturão vermelho, botas, geralmente pretas, tendo as mãos cobertas com luvas brancas. O “Kabocomeu” exibe guarda-chuvas na mão esquerda, sua marca distintiva, empunhando bengalas e martelos.

Plano
É urgente a criação de um “Plano Nacional de Reorganização do Carnaval”, visando a melhoria do seu estado actual, para que se instaurem mudanças estruturais na estética e na organização do Carnaval, a nível nacional, num processo que engajaria, governos provinciais, representantes dos grupos de Carnaval, blocos de animação, Comissão Nacional Preparatória do Carnaval, associações culturais e todos os intervenientes e interessados na realização do Carnaval. O plano, na sua essência, teria os seguintes objectivos: reorganizar a estrutura interna dos grupos, discutir formas de financiamento dos grupos, preparar o júri com seminários, criar e rentabilizar a sede dos grupos, transformar os grupos em associações, realizar eleições e potenciar o estatuto da Associação Provincial do Carnaval de Luanda (APROCAL), incentivar o surgimento de mais associações do Carnaval nas províncias, documentar, em vídeo, ou outros suportes de registo digital, a história do Carnaval, criar estratégias de transformar o Carnaval em verdadeiro produto turístico, definir a forma de apresentação e definir o número de foliões das falanges de apoio, criar um prémio para os grupos que dançam mais tempo nas ruas das cidades.

Tempo

Multimédia