“Independência” em filme

Manuel Albano |
22 de Outubro, 2015

Fotografia: José Soares |

O documentário “Independência”, com depoimentos de pessoas que participaram na luta de libertação de Angola, estreia dia 8 de Novembro, nas salas de cinemas nacionais, em simultâneo.

O director do projecto, Paulo Lara, disse, ontem, no Centro de Imprensa Aníbal de Melo (CIAM), em Luanda, que o documentário é o resultado de vários anos de investigação, resultante do testemunho audiovisual  de pessoas que deram o seu contributo sobre a própria história da independência nacional.
O projecto, disse, surgiu como uma forma de contribuir para preservar a história dos que participaram na luta de libertação nacional. “A ideia é tornar o projecto abrangente, para ser visto em todo o país e ajudar a divulgar também uma parte da história do país, em aos jovens.”
O documentário, acrescentou, custou aproximadamente 500 mil dólares e traz entrevistas feitas ao longo de seis anos a mais 600 pessoas, que participaram directa ou indirectamente na Luta de Libertação de Angola. “É um documentário que vai estar disponível para a investigação futura dos estudantes e historiadores”, garantiu.
O produtor do documentário Jorge Cohen disse que foi feito um trabalho árduo de investigação, que envolveu mais de 20 profissionais de cinema, “o que permitiu ter um produto final com muita qualidade”. Um dos objectivos, destacou, é também o de trazer mais subsídios para ajudar a promover e preservar a História de Angola. “Primámos  pela qualidade das filmagens, porque queremos também apresentar o filme nos principais Festivais Internacionais de Cinema.”
Após a exibição nos cinemas, o documentário está disponível em DVD. “Queremos  que os cinéfilos possam ter uma fonte histórica fiável sobre a História de Angola”, disse.
Para o realizador Mário Basto, a produção do documentário “Independência” foi uma experiência única e indescritível, que ajudou a todos a conhecerem mais as tradições, povos e culturas de Angola.
“Encontrámos muitos arquivos no estrangeiro com depoimentos convergentes e divergentes sobre a Luta de Libertação em Angola. Portanto, o documentário mostra-nos uma outra imagem da resposta angolana ao domínio colonial e da luta de Libertação Nacional, mas vista do ponto de vista de quem nela participou”, adiantou.
A consultora histórica do filme, Conceição Neto, considerou o documentário uma mais-valia, em especial para a nova geração, de forma a conhecerem mais sobre o período de Luta de Libertação. “É um contributo para melhorar o acervo histórico e contribuir para a memória colectiva dos angolanos”, justificou.
Sob o lema “Esta é a nossa memória”, o filme, com a duração de 1h45 minutos, é o resultado do projecto “Angola-Nos trilhos da Independência”, resultante do trabalho das produtoras Geração 80 e Associação Tchiweka de Documentários.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA