Cultura

Iniciativa promove a música e a identidade da lusofonia

Roque Silva |

O encontro no mesmo palco do ritmo semba, pela Banda Maravilha, e do samba, na voz da cantora brasileira Carla Visi, no dia 30, no Centro Cultural Brasil - Angola (CCBA), em Luanda, marca o arranque do projecto Bate Papo e Concerto Travessia dos Oceanos.

Directora do Centro com Carlos Simões mentor do projecto
Fotografia: José Soares | Edições Novembro

A iniciativa, apresentada ontem em conferência de imprensa, vai celebrar e promover a música e toda a identidade lusófona, com concertos intimistas, de três em três meses, de artistas da comunidade dos países de língua oficial portuguesa.
Este primeiro concerto tem a duração de 1h30 e promete fazer o público viajar por diversos géneros da música brasileira, em particular ao samba tradicional, samba reggae, chorinho e axê, com o suporte da mais representativa banda angolana de semba, a Banda Maravilha. Além de cantar, a cantora brasileira Carla Visi vai falar sobre as suas experiências. Carlos Simões, mentor do projecto e produtor do espectáculo, disse que a iniciativa abre espaço para outros artistas da lusofonia se exibirem em Luanda, por forma a celebrar a magnitude e a capacidade dos povos em compartilhar laços, histórias, alegrias e emoções.
Apesar de estarmos separados pelo oceano, a lusofonia é o retrato mais belo e puro de que somos capazes de manter viva a chama ardente da língua, cultura e de toda a expressão portuguesa, disse o mentor do projecto Bate Papo e Concerto Travessia dos Oceanos, para quem “a música é o aspecto mais forte que consegue unir os mais de 200 milhões de lusófonos espalhados pelo mundo.”
A directora do Centro Cultural Brasil - Angola (CCBA) garantiu a disponibilidade do espaço para abraçar projectos de importância e abrangência cultural, pois “é uma travessia e viajem musical que se concluiu como intercâmbio cultural entre os povos.” Carla Visi integrou em 1990 a Companhia Clic, onde substituiu a cantora  Daniela Mercury.

Tempo

Multimédia