Cultura

Jacinto Tchipa afirma estar bem de saúde

O músico Jacinto Tchipa informou, quarta-feira, em Luanda, estar bem de saúde, contrariando informações postas a circular nas redes sociais sobre o agravamento do seu estado clínico.

Músico desmente informações que circulam nas redes sociais
Fotografia: Francisco Miúdo | Angop

O músico Jacinto Tchipa informou, quarta-feira, em Luanda, estar bem de saúde, contrariando informações postas a circular nas redes sociais sobre o agravamento do seu estado clínico.
Em declarações à Angop, o artista avançou que as informações sobre o agravamento do seu estado de saúde e a incapacidade financeira são falsas, considerando um insulto e desrespeito à sua imagem.
Jacinto Tchipa lamentou o facto de o seu nome estar a ser usado, de forma abusiva, e por estar a ser visto como pedinte de rua.
O artista revelou sofrer de hipertensão e problemas cardíacos, o que o obrigou, após o diagnóstico médico, em 2017, a uma cirurgia cardíaca e ao uso de um marca-passo (aparelho colocado junto ao coração para regular os batimentos cardíacos).
Após seis meses de internamento em Luanda, o músico deslocou-se à África do Sul, em Novembro de 2018, a fim de realizar tratamentos médicos. A viagem e as consultas foram pagas pelo Ministério da Defesa, instituição onde trabalha.
Jacinto Tchipa informou ter recebido apoios da Assembleia Nacional e da Casa Militar da Presidência da República.
Jacinto Tchipa notabilizou-se no mercado nacional durante a década de 1980, quando foi vencedor, duas vezes consecutivas 1986 e 1987), do Top dos Mais Queridos, organizado pela Rádio Nacional de Angola (RNA).
O músico nasceu em 1958, na Caála, província do Huambo, e começou a carreira artística em 1973, quando gravou o primeiro disco de vinil “África”. Temas como “Maié Maié”, “Kumbi Lianda”, “Sissi Ola” e “Tchivale Tchivale” constam do repertório do artista.
Lançou três discos em vinil na década de 1980, intitulados “A Cartinha do Soldado”, “Sissi Ola” e “Reconstrução Nacional”, já nos anos 1990 editou “Os Meus Sucessos” e “África”.

Tempo

Multimédia