Cultura

José Luís Mendonça refere o papel da poesia

O escritor José Luís Mendonça disse, na quarta-feira, em Luanda, que a poesia pode ser usada para educar e moralizar os seus integrantes, de modos a fazer perceber os fenómenos políticos, sociais e culturais.

O autor, que apresentou,  na União dos Escritores Angolanos, o livro “Angola, Me Diz Ainda”, referiu que além do arranjo harmónico das palavras, a poesia tem um fito crítico, pela sua dissociável ligação à política, que permite esclarecer e aclarar factos e costumes próprios de uma sociedade. Para a elaboração do livro, revelou José Luís Mendonça ao Jornal de Angola, teve influências de trabalhos de autores nacionais e internacionais da geração de 1950, entre os quais o “O Movimento dos novos intelectuais de Angola”, onde pontificaram os nomes de Viriato da Cruz, António Jacinto e Mário António. Esses autores deixaram um legado muito importante, bastante rico em estética artística e política, disse o autor, que realçou ser um dos motivos pelo qual o livro retrata problemas que afligem a sociedade, como a corrupção, a impunidade e  a ganância. Segundo o autor, o título do livro é uma questão colocada pelo povo sobre determinados episódios que estão por se explicar, e que ainda estão escondidos, “como a Independência de Angola que está a ser conquistada aos poucos”. Fragata de Morais considerou o livro referência para as escolas do II Ciclo do Ensino Primário, pois faz uma reflexão do período pôs-Independência.

Amilda Tibéria

Tempo

Multimédia