Cultura

Kudurista Nacobeta é sepultado amanhã

Roque Silva |

O kudurista Edson Guedes Fernandes “Nacobeta”, falecido na segunda-feira, no Hospital Josina Machel (Maria Pia), vítima de doença, é sepultado amanhã, às 10h30, no Cemitério de Santa Ana, em Luanda.

Calou-se a voz do “Rei do Ndomboló” que vai amanhã a enterrar no Santa Ana
Fotografia: JAImagens

O velório realiza-se hoje a partir das 19h00, no Velório Público, espaço adjacente ao referido cemitério, mas antes o corpo vai a casa onde residia com os pais, no bairro Nelito Soares (Rua C10 de Cima), no Distrito Urbano do Rangel, segundo o irmão mais velho do cantor, em declarações ontem ao Jornal de Angola. Bula Manuel informou vai ser rezada uma missa de corpo presente, amanhã às 10h00, a qual se sucede o enterro do artista que deixou três órfãos menores de idade.
O irmão confirmou a versão dos amigos, segundo a qual o cantor recuperava satisfatoriamente e que ainda esteve um dia antes da sua morte numa festa no bairro Vila Alice.
Bula Manuel considerou especulação os supostos valores arrecadados em contribuições por altura de um apelo de solidariedade, publicadas nas redes sociais, aquando do seu internamento em 2016, no Hospital Josina Machel (Maria Pia).
O irmão do kudurista disse serem falsas tais informações e agradeceu a direcção do Hospital Maria Pia e toda a equipa médica que o acolheu desde que apresentou os primeiros sintomas.
“Nunca recebemos dinheiro de ninguém”, disse aos choros o irmão mais velho do cantor e bailarino que havia recebido alta na semana passada, que se deslocou ao referido hospital para fazer revisão e exames de rotina e acabou por falecer nos cuidados intensivos depois se ter sentido mal.
Conhecido como “Rei do Ndomboló”, Nacobeta passou por um episódio, ocorrido em 2016, quando informações, que se propagaram pelas redes sociais diziam que havia falecido, que foram desmentidas mais tarde pelo irmão.
Nacobeta começou a sua carreira em 2000, como animador de festas de quintais, com suporte de música electrónica, nas chamadas raves. Anos depois se juntou ao DJ Znóbia e ao cantor e compositor Puto Português, com quem gravou algumas músicas que os levou para a fama e o reconhecimento. Foram autores da famosa canção “Uakimono”, a primeira do estilo kuduro que concorreu no Top Rádio Luanda.

Notas de condolências

O Ministério da Cultura, numa nota de condolências, lamentou, segunda-feira, a morte do co-autor das músicas “Lava a mão”, “Chupa lá”, “Bababá” e “Mata cobra”, tendo considerado que o artista deixa uma marca no mercado musical, fruto de uma carreira de mais de 10 anos.
Na mensagem, a titular da Cultura, Carolina Cerqueira, manifesta a sua dor pelo falecimento do kudurista Edson Guedes Fernandes “Nacobeta”, vítima de doença.
A nota de condolências realça, também, as qualidades de Nacobeta, considerando que o kudurista faz parte de uma lista de artistas da nova geração, principalmente da nova tendência: “kuduro, que contribuiu significativamente para o crescimento e expansão registada neste segmento musical angolano.”
O Ministério da Cultura, refere o documento assinado por Carolina Cerqueira, endereça à família enlutada “os mais sentidos sentimentos de pesar do colectivo de trabalhadores do seu pelouro.”
Por sua vez, a promotora de espectáculos Nova Energia, numa nota, considerou Nacobeta um dos principais pilares do kuduro, referindo que o tema “Wakimono” é um dos maiores hinos neste género musical.
“Perdemos um dos maiores talentos no kuduro. No entanto, os seus temas, muito dançados, vão ficar eternamente”, referiu a empresa organizadora do evento musical “Show do Mês”.

Tempo

Multimédia