Cultura

Leitores estudam obra de Pepetela no Centro Camões

Manuel Albano

Pepetela continua a fazer da escrita uma ferramenta de análise da sociedade angolana contemporânea, disse, ontem em Luanda, a professora Irene Guerra Marques.

Escritor Pepetela em análise na Biblioteca do Camões
Fotografia: Paulino Damião | Edições Novembro

Durante o programa cultural denominado Escritor do Mês na Biblioteca Camões, que se realiza mensalmente no Camões - Centro Cultural Português, em Luanda, Irene Guerra Marques, salientou que o escritor continua a transmitir o seu legado por meio da literatura.
De acordo com a oradora, o autor é uma figura que se destaca como um homem de múltiplos conhecimentos sobre a história contemporânea, o que o torna uma das principais figuras da literatura angolana. Reconheceu não ser fácil revisitar e analisar a obra e a biografia de Pepetela, Prémio Camões 1997, pelo facto de a sua obra estar, indissociavelmente, ligada à História de Angola, dos últimos 50 anos.
A vice-presidente da Liga Africana, Maria Cristina, leitora de Pepetela, disse que o escritor está na mesma dimensão do escritor moçambicano Mia Couto, pela extensão e contributo sociológico apresentado nas suas obras.
Afirmou, ainda, que o autor contribuiu para mudanças na literatura, entre as décadas de 1980 e 1990, o que demonstra amor pelo país devido à forma como analisa o quotidiano da elite ou não, sinais de mudanças na literatura produzida por Pepetela.
O interesse em examinar a História, recorrendo à sátira, pesquisando tanto no país como em Portugal e no Brasil, permite-lhe conhecer e dar a conhecer o mundo lusófono. Como exemplo citou a publicação do romance “Jaime Bunda”. Os leitores voltam à Biblioteca do Camões, dia 30, para mais abordagens sobre a  produção literária do  autor de “Muana Puó”, na 6.ª edição do “Escritor do Mês na Biblioteca Camões”.
Organizada pelo Camões - Centro Cultural Português e o Núcleo de Leitura, no âmbito da promoção da língua portuguesa e de divulgação de autores.

Tempo

Multimédia