''Lila'' conquista a crítica


22 de Março, 2015

Fotografia: Reuters

A ficcionista norte-americana Marilynne Robinson venceu o National Book Critics Circle Award pelo seu mais recente romance, “Lila”, o terceiro e o último de uma trilogia iniciada há dez anos com “Gilead”.

O júri do prémio, atribuído pela associação profissional de críticos literários dos Estados Unidos, que concluiu que “Lila” é “outro milagroso e memorável retrato norte-americano”, elogiou a autora pela “gloriosa linguagem atravessada de luz e graça”. Ao usar a palavra “outro”, sublinharam, o júri disse que considerava igualmente notáveis os anteriores volumes da trilogia de “Gilead”, uma cidade ficcional no Iowa.
“Gilead” (2004), vencedor de um Pulitzer, é um romance em forma de uma longa carta, escrita no final da vida por um pastor protestante, John Ames, ao filho de sete anos.
No livro John Ames é casado com uma mulher muito mais nova do que ele, Lila.
O romance é o relato da vida desta mulher, desde a traumática infância ao casamento com Ames. O livro, uma sequência de “Gilead”, termina com o nascimento do filho de ambos.
Entre os dois livros, a autora publicou “Home” (2008), que também se passa em “Gilead” e envolve igualmente um reverendo, mas que não tem relação directa com a história de Ames e Lila. Antes desta trilogia, Marilynne Robinson publicou apenas o romance de estreia, “Housekeeping” (1980), que chegou à final do Pulitzer e ganhou o prémio de revelação PEN/Hemingway.
O jornal britânico “The Guardian” incluiu o livro numa lista dos cem melhores romances de todos os tempos. Mesmo tendo em conta que Marilynne Robinson é também autora de vários livros de ensaios e quatro romances, escritos em 34 anos, “Lila” é para o júri “uma produção invulgarmente rara, sobretudo nos tempos que correm”.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA