Cultura

Lili de Vasconcelos sepultada no Huambo

Estácio Camassete | Huambo

A cantora Lili de Vasconcelos falecida na segunda-feira, na cidade do Lubango, por doença, foi ontem a enterrar no Cemitério de São Pedro na província do Huambo, num clima de muita tristeza dos familiares, amigos e colegas que a acompanharam até a último morada.

Edna Mateias, colega de carreira de Lili de Vasconcelos, disse que o Huambo perdeu uma das melhores vozes femininas, cujo talento ultrapassava os limites, uma pessoa diferente que fazia sempre as coisas a pensar no bem seu público e dos seus filhos.
“Uma mulher guerreira” era assim tratada Lili de Vasconcelos pelos colegas e amigos, desde o festival provincial de vozes femininas, realizado em 2005, da qual participou pela primeira vez, tendo cultivado, por esta razão, a união e a amizade profunda com os colegas de carreira. O músico Abraão Luyele, responsável do grupo gospel Estrelinhas D’Alva, destacou as qualidades da cantora, tendo manifestado o seu sentimento de dor, considerando que a cultura perde alguém que sempre emprestou a sua voz em muitas músicas do seu grupo, que fez enormes sucessos nas lide musicais no Huambo e não só.
O representante da União Nacional dos Artistas e Compositores no Huambo, Pascoal Pedro Nhanga, disse que a cultura angolana e a instituição perderam uma grande voz, por ser uma das mulheres que trouxe várias alegrias à província, em momentos difíceis e esteve envolvida no trabalho de sensibilização da luta contra a violência doméstica, na formação de novos talentos e na valorização de vozes femininas.   

Tempo

Multimédia