Línguas Nacionais na Festa da Cultura


16 de Agosto, 2014

Fotografia: Dombele Bernardo

Carlitos Isaac considerou, em Camanongue, província do Moxico, que a realização do Festival Nacional de Cultura (FENACULT), a decorrer de 30 deste mês a 20 de Setembro, vai contribuir para a preservação das línguas nacionais.

Em declarações à Angop a propósito da realização da segunda edição do FENACULT, o músico realçou que a estreita ligação entre as actividades do Festival Nacional de Cultura e o incentivo das línguas nacionais pode fortalecer a identidade cultural, influenciando, sobretudo os jovens que não falam uma língua nacional.
“O português é uma língua herdada do processo de colonização do país, servindo de comunicação oficial, mas não faz parte do mosaico cultural etnolinguístico angolano”, disse o artista, exaltando a iniciativa do Executivo, que pode contribuir para a valorização das línguas nacionais, a par da dança, música, poesia, teatro e outras manifestações artísticas.
Nesse sentido, encorajou os agentes culturais do Moxico que vão participar no evento a expressarem-se nas suas línguas nacionais e escreverem convenientemente para melhorar a apresentação e identificação cultural desta região.
Sugeriu também ao Ministério da Educação que continue com a inserção das línguas nacionais nos distintos subsistemas de ensino, para que o angolano possa falar e escrever nos seus dialectos, dada a sua importância para a preservação da identidade nacional.
Desenvolver as premissas para o incremento da política cultural em articulação com o sector público e privado, divulgar, valorizar as artes, acções culturais, populares e tradicionais, o consumo e a valorização dos bens culturais nacionais, através da criação de redes culturais a nível local, nacional e internacional são, entre outros, os objectivos do FENACULT.

Inserção no currículo escolar


A inserção das línguas nacionais no currículo escolar constitui um factor de identidade e de desenvolvimento cultural em Angola, considerou, no Lubango, a técnica do Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento da Educação (INIDE) para a área das línguas nacionais, Flora Paim.
Ao dissertar numa palestra subordinada ao tema “Ensino das línguas nacionais em Angola”, reiterou que este elemento deve ser reforçado nas escolas e nas sociedades angolanas, para permitir que cada um utilize melhor os idiomas, por representarem a origem de cada tribo.
O INIDE está, neste momento, a produzir diversos manuais em línguas nacionais, isto é, da 1ª à 13ª classe, para permitir uma aprendizagem consubstanciada na escrita e na fala, assim como a formação de professores através de seminários de curta e longa duração.
“O INIDE prevê lançar ainda este ano um ciclo de formação de carácter regional e de conversão dos docentes, para fortalecerem o ensino das línguas nacionais no país, tendo em conta a sua importância na sociedade”, acrescentou.
Em seu entender, a sociedade ainda se inibe de falar as línguas nacionais e nota-se uma “gritante” falta de interesse na aprendizagem das mesmas, principalmente entre os mais jovens.
O Estado angolano promove e assegura as condições humanas, científico-técnicas, materiais e financeiras para a expansão e generalização da utilização e ensino das línguas nacionais, com o apoio de especialistas dotados na área.
Participaram no encontro, directores escolares do I e II ciclos, coordenadores e docentes de línguas nacionais e convidados.

Cuanza Sul elogia festival


Os artistas do Sumbe elogiaram a realização da II edição do Festival Nacional da Cultura.
A encenadora do grupo de teatro Luz da Arte, Florinda Caetano, disse estar satisfeita com a iniciativa do Executivo e do Ministério da Cultura em realizar uma nova edição do festival 25 anos depois, mobilizando os criadores de todo o país.
O FENACULT é sinónimo de bem-estar dos artistas, fruto da conquista da paz, com vista à promoção da cultura em todas as vertentes artísticas, e à elevação histórica cultural do país, sublinhou
Florinda Caetano garantiu que os artistas tudo vão fazer para melhor a apresentação do teatro, valorizando e preservando a identidade cultural angolana.
O músico Man Neci congratulou-se com o FENACULT, e referiu estar disponível para participar no evento caso seja seleccionado pela Direcção Provincial da Cultura.
Do seu ponto de vista, o festival vai servir para a troca de ideias e experiências entre actores, músicos e membros da sociedade, além de enriquecer e fortalecer a cultura angolana.
O FENACULT decorre sob o lema “A cultura como factor de paz e desenvolvimento” e inclui espectáculos de música, dança, teatro, sessões cinematográficas e outras actividades. A primeira edição do FENACULT realizou-se em 1989, com a participação de diversas manifestações de artistas do país.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA