Literatura angolana estudada em Itália


19 de Abril, 2015

Fotografia: Paulino Damião

O primeiro seminário de introdução à Cultura e Literatura Angolana está a ser ministrado até 8 de Maio, na Universidade de Roma Tre, em Itália, a mais de  40 estudantes de diversas nacionalidades, do curso de licenciatura na área de línguas, literaturas e culturas estrangeiras da Faculdade de Letras e Filosofia.

O curso, de seis módulos, teve o seu início em Abril, totalizando 30 horas lectivas e está a ser ministrado por António Quino. O seminário tem como objectivo dar a conhecer os elementos da História da Literatura Angolana e das principais obras e autores, além de enquadrar os escritores angolanos em períodos temporais e socioculturais. Reconhecer e distinguir o estilo individual e desenvolver métodos e técnicas de trabalho individual, de grupo e em grupo, que contribuam para a construção e desenvolvimento da aprendizagem da Cultura e Literatura Angolanas são outros objectivos.
No seu primeiro contacto com os estudantes, António Quino disse que ficou impressionado pela manifesta vontade de conhecerem a cultura e literatura angolanas. “Fiquei satisfeito pois, se tudo correr bem, podemos futuramente ter um forte núcleo de investigadores, tradutores e leitores aqui na Itália, recuperando uma relação cultural que já foi muito boa no passado. Só para termos uma ideia, o curso está a ser ministrado em português e a maioria dos estudantes inscritos tem um fraco domínio da língua, mas foram vencidos pela curiosidade e vontade de conhecer esta Angola que precisa de se dar mais a conhecer, em particular a sua literatura”, acrescentou.
Na abertura do seminário, a União dos Escritores Angolanos (UEA) procedeu à oferta de mais de 25 títulos de autores angolanos à Biblioteca da Universidade Roma Tre.
O secretário-geral da UEA, António do Carmo Neto, disse que é preciso alimentar o estudo e consumo das obras de autores angolanos no público internacional.
“Não faz sentido levar o estudo da literatura à academia se não criarmos condições para os potenciais investigadores terem acesso aos livros. Daí vai ser um passo para incentivarem o consumo e recomendarem a sua leitura”, referiu. A primeira etapa do curso, coordenada pelo professor italiano Giorgio de Marchis, foi marcada por uma teleconferência com o escritor Pepetela, em que os alunos tiveram a oportunidade de colocar questões, em particular sobre o seu livro traduzido recentemente para italiano e disponível nas livrarias de Roma, “Jaime Bunda - Agente Secreto”.
O seminário é resultado da materialização do acordo tripartido que instituiu a 24 de Março de 2014 uma cátedra na Universidade de Roma Tre com o nome do poeta Agostinho Neto, e está destinada exclusivamente à divulgação e à promoção da Literatura e Cultura angolanas.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA