Cultura

Lito Graça dá show na Trienal

O cantor, baterista e percussionista Lito Graça é a primeira proposta para os concertos do mês de Maio, na programação da III Trienal de Luanda. O concerto realiza-se hoje às 20 horas, no palco Ngola, no Palácio de Ferro, na Baixa de Luanda.

Cantor faz hoje no palco da Trienal uma retrospectiva das suas vivências musicais que estão assentes na Música Popular Urbana Angolana
Fotografia: Dombele Bernardo|Edições Novembro

O músico vai fazer uma retrospectiva das suas vivências musicais, que está assente na Música Popular Urbana Angolana (MPUA).
Deste modo, sucessos como “Retró”, “Kanjila” e “Gilberto” do reportório do Semba Masters fazem parte do alinhamento com alguns clássicos nacionais e outras surpresas que o artista vai apresentar.  No palco Ngola, Lito Graça na bateria e voz, vai ter o acompanhamento de Texas (guitarra ritmo), Nelo Paim (teclado), Chico Santos (percussão), Chalana Dantas (percussão), Nelas do Som (guitarra solo), Carlitos Chiemba (baixo), Trícia e Raquel Lisboa (coro), tendo como convidado Matomona Sebastião (guitarra), líder do Ngoma Jazz.
De realçar que Lito Graça, com o apoio da Fundação Sindika Dokolo, coordenou o projecto de recuperação do Conjunto Ngoma Jazz que culminou com duas apresentações, sendo a segunda no Festival Zwá | Pura Música Mangop, mesmo evento que fez ressurgir a Banda Semba Mastars.
Outro feito do artista é que serviu de elo para que outros criadores de música de raiz actuassem na III Trienal. Esta vai ser a sua primeira actuação a título individual na III Trienal, depois das actuações com grupos e como instrumentista. Salienta-se que o músico notabilizou-se com o tema “Retró” da Banda musical  Semba Masters.
A música surgiu na vida de Lito Graça ainda enquanto criança, na Igreja Tocoísta, hoje um viveiro de muitos executantes da Música Popular Angolana. Depois de passagens por pequenas formações, fez parte no país do Conjunto musical Os Facho, Os Megas da Rádio Nacional de Angola e pertence à Banda Semba Masters, formação que existe desde 1994 em Portugal.

SAPO Angola

Tempo

Multimédia