Cultura

Live no Kubico da TPA com Gabriel Tchiema e Mito Gaspar este Domingo

Analtino Santos

Depois do grande encontro do semba, ritmos do Império Lunda e dos Reinos do Ndongo e Matamba invadem, Domingo, a partir das 14h30, os ecrãs dos televisores e computadores, na Live do Kubico da TPA, com as presenças de Mito Gaspar e Gabriel Tchiema.

Mito Gaspar participa no Live da TPA com o cantor Gabriel Tchiema
Fotografia: DR

Do alinhamento do encontro da família angolana, deste Domingo, na Live do Kubico da TPA, constam entre outros, os temas “Man Polé”, “Hadia Tu Vutuka” “Mahezu” “Kibuka Kya Mona”, “Palanhe N’go” e “Kassexi”, sucessos de Mito Gaspar, e “Africa Yami”, “Molekeleke”, “Mungole”, “Mbimba”, “Itela” e “Azulula” de Gabriel Tchiema, que ajudarão a manter os cidadãos em casa, neste período de confinamento social, e servirão de incentivo para a onda de solidariedade.

Artistas com muitos pontos em comum, o hibridismo musical na produção artística, com os ritmos endógenos a cruzarem com outras sonoridades, ou seja o perfeito casamento entre a tradição e o moderno.

Ambos os artistas venceram o Prémio Nacional de Cultura e Artes, na categoria de música, exerceram o cargo de responsáveis provinciais da Cultura nas suas províncias e o cumprimento do serviço militar obrigatório permitiu -lhes conhecer a riqueza cultural e rítmica do país.

Mito Gaspar, que venceu o Prémio Nacional de Cultura e Artes de 2016, tem recuperado temas de recolha da tradição oral que ouvia nas noites de sunguilar, para um contexto moderno. Uma das suas grandes apostas é a tradução para kimbundu dos poemas “Havemos de Voltar” e “Renúncia Impossível”, respectivamente “Hadia tu Vutuka” e “Eme Nzambimuenhu”, que marca também outra faceta, do homem que abrilhantará o concerto deste domingo.

Mito Gaspar consegue transportar para contextos urbanos a áurea de sanzalas, nos Reinos do N’dongo, Matamba, em momentos de ouvir os “missossos e jisabhu” nas noites de sunguilar. Mito Gaspar nasceu a 5 de Outubro de 1957 em Cacuso, Malanje, e tem no mercado os discos “Man Polé” “Mitos & Tradições” e “Phambuya Njila”.

O seu parceiro no concerto notabilizou-se com o Trio Heda, grupo militar, que em representação da província da Huila, venceu o Festival da Canção Política. Gabriel Tchiema também deu-se a conhecer ao país neste movimento, como trovador e integrante co-fundador do grupo militar ASP de Cabinda, vencedor de vários festivais militares.

O artista tem apostado na estilização dos ritmos do leste do país como a chianda, makopo e outros que dançou em cerimónias de circuncisão e outros rituais da sociedade tradicional. Nascido no município do Dala, província da Lunda-Sul, em 1966, Gabriel Tchiema tem no mercado discográfico os álbuns “Nhena Nhi Nhami”, “Dona”, “Azulula” e “Mungole”.

Com o disco “Mungole” venceu o Prémio Nacional de Cultura e Artes em 2014, e foi considerado a Melhor Produção Discográfica, na última edição do Top Rádio Luanda. A TPA e a Platine Line voltam a brindar, este domingo, os angolanos com mais um concerto solidário, depois do êxito do elenco anterior Bonga, Paulo Flores e Yuri da Cunha, que uniu e parou o país com a “Live 3G do Semba”.

Na senda da unificação do país e mostrar a diversidade rítmica de forma brilhante, a TPA une o país com Mito Gaspar e Gabriel Tchiema, artistas nacionais que se notabilizaram longe das suas províncias e exemplos brilhantes da diversidade cultural. Mito Gaspar é malanjino, mas foi na Huíla que se notabilizou e foi em Cabinda que Gabriel Tchiema, natural da Lunda-Sul, emerge no meio musical.

Tempo

Multimédia