Cultura

Conferencistas abordam futurismo

O desempenho na esfera pública e o movimento futurista do início do Século XX vão ser tema de uma conferência internacional, motivo de espectáculos e da publicação de um livro, a ser lançado amanhã, em Lisboa.

Pintura decorativa em azulejos retratando o poeta Fernando Pessoa um dos escritores cuja obra assenta no movimento futurista em Portugal
Fotografia: UFP

O programa  “P! Performance na Esfera Pública” decorre até sexta-feira, no âmbito dos 100 anos da conferência futurista de Almada Negreiros, e inclui um debate, na Fundação Calouste Gulbenkian, a construção, recriação e participação da performance de arte na esfera pública.
Iniciativa da Associação “Per Form Ativa”, com coordenação de Ana Pais, que partilha a curadoria com Pedro Rocha e Levina Valentim, a conferência vai reunir portugueses e participantes de outras nacionalidades, e vai acolher a apresentação do livro “Performance na Esfera Pública”.
Jen Harvie, professora na Queen Mary, da Universidade de Londres, e Christine Greiner, professora na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, são alguns dos convidados. Também vão participar a investigadora Rebecca Schneider, professora no Departamento de Artes Teatrais e Estudos de Performance, na Brown University, nos Estados Unidos, para o lançamento do livro sobre performance publicado pelas Edições Orfeu Negro.
Na Casa Fernando Pessoa, o debate “100 anos da conferência futurista, 100 anos de performance arte em Portugal?”, vai ser contar com as investigadoras Sandra Guerreiro Dias, Fernando Rosa Dias, Mariana Pinto dos Santos e Sílvia Laureano Costa.  O objectivo, segundo a organização, é recordar uma das acções mais emblemáticas do artista multifacetado Almada Negreiros, bem como a conferência futurista, proferida no Teatro da República, em Lisboa (actual Teatro São Luiz), para lançar o futurismo em Portugal, movimento encabeçado por Santa-Rita Pintor.
No Museu do Chiado, vai ser apresentado “Performance: Reacting to Time - Portugueses na Performance”, com a apresentação da “Transmissão X”, um projecto de Vânia Rovisco com Fernando Aguiar e a colaboração de Bruno Humberto.
No Maria Matos Teatro Municipal, acontece o concerto “Intonarumori”, de Luciano Chessa & The Orquestra Of Futurist Noise Intoners.  “The Orchestra of Futurist Noise Intoners” possui a única réplica completa das máquinas de barulho (intonarumori), criadas pelo compositor futurista Luigi Russolo, que foram reconstruídas pelo maestro Luciano Chessa a convite da bienal Performa, em Nova Iorque, que na edição de 2009 celebrou os 100 anos do futurismo italiano.
No último dia do programa, no São Luiz Teatro Municipal vão ser apresentadas performances de artistas de diferentes gerações e de diversas disciplinas artísticas, tais como artes visuais, poesia, dança, música e teatro, para reinventar a conferência futurista.  Américo Rodrigues, Ana Borralho & João Galante, António Olaio, Beatriz Brás & Sérgio Coragem, Diana Combo, Fernando Aguiar, Homeostéticos, Manoel Barbosa, Marta Bernardes, Nova Orquestra Futurista do Porto, Pogo Teatro, Raquel André, Sónia Baptista, Margarida Chambel & Nuno Oliveira são os artistas participantes.
O evento acontece, segundo a organização, exactamente 100 anos depois de Almada Negreiros ter ocupado o palco do Teatro República para ler o seu “Ultimatum às gerações futuristas do século XX”.

SAPO Angola

Tempo

Multimédia