Livro é tema de conferência na união


15 de Novembro, 2014

Fotografia: Paulino Damião

“As independências, releitura sobre a obra ‘Mayombe’, comparação com as literaturas da Resistência Italiana” é o tema de uma conferência sobre o escritor Pepetela a ser realizada terça-feira, às 18h00, na sede da União dos Escritores Angolanos (UEA).

Organizada conjuntamente entre a UEA e a embaixada da Itália em Angola, a conferência tem como prelectores o académico italiano Francesco Genovesi, os escritores angolanos Artur Pestana “Pepetela” e Carmo Neto, secretário-geral da UEA.
No fim da conferência vai ser realizada a cerimónia  de apresentação da Associação dos Antigos Alunos e Amigos da Itália (AITA) e vão ser premiados duas personalidades angolanas e italianas.
Segundo Pepetela, no Portal da Literatura, “o Mayombe começa com um comunicado de guerra. Eu escrevi o comunicado e...o comunicado pareceu-me muito frio, coisa para jornalista, e eu continuei o comunicado de guerra para mim, assim nasceu o livro.”
Escrito em 1970/71, em Cabinda, o livro foi publicado em 1980. Se outras obras têm o ir buscar à história a explicação para problemas diversos, Mayombe conta história. É um livro de construção da história.
A publicação da obra tem também a sua história. Pepetela deu a obra a Agostinho Neto para que este a lesse, à semelhança do que havia feito com outros trabalhos seus. Durante muito tempo o próprio autor hesitou em publicar a obra, as razões eram políticas. Quando se decidiu enfim a publicação da obra, a nível interno do MPLA foi importante o facto de testemunhas terem ouvido Neto dizer que concordava politicamente com o conteúdo de Mayombe.
Mayombe é uma grande epopeia, a épica dos guerrilheiros. Relembra alguns escritores franceses que escreveram sobre a guerrilha da Indochina, especialmente “A condição Humana” de André Malraux. Mayombe é a primeira obra angolana que dessacraliza os heróis. “É uma obra também contra o dogmatismo, o Sem-Medo era um anarquista, não podia ser mas de facto era. A obra tem já uma série de advertências sobre o partido único mas a grande contribuição do Sem-Medo foi a da religião na política” , diz Pepetela.
Artur Pestana nasceu em Benguela, em 1941, onde estudou o Ensino Secundário. Partiu para frequentar a Universidade em Lisboa, em 1958. É um dos mais referenciados escritores angolanos.

Maka na União

A UEA organiza quarta-feira, às 18h00, na sua sede, um encontro com Carlos Lamartine, que vai fazer uma abordagem sobre a sua arte.
O encontro é realizado do âmbito do habitual debate “Maka à Quarta-feira”, que a UEA promove semanalmente.
Carlos Lamartine gravou o seu primeiro disco em 1970, com a etiqueta “Ngola”. Em 1974 surgiu o LP “Angola no I”, com a etiqueta da CDA, gravado com os Merengues. Depois de 23 anos de ausência, gravou em 1977 o seu primeiro CD, “Memórias”, com a chancela da RMS, Produções Musicais, com o qual inicia um processo de fusão e modernização da sua música, criando um produto bem acolhido pelas gerações mais jovens.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA