Munícipes devem criar hábitos de leitura

Kátia Ramos e Afonso Costa| Namibe
2 de Julho, 2016

Fotografia: Maria Augusta

O Governo Provincial de Luanda está apostado em levar o livro mais próximo dos cidadãos, principalmente das crianças, por forma a contribuir para a instrução dos munícipes com vista aos desafios que se avizinham, garantiu, quinta-feira, a vice-governadora Jovelina Imperial.

A governante, que falava na abertura da décima edição do Jardim do Livro Infantil, que decorre até amanhã em todo o país, disse que o livro é um componente indispensável para que as gerações vindouras sejam capacitadas para enfrentar os desafios do seu tempo.
“Precisamos de retomar o projecto de construção de bibliotecas escolares a todos os níveis. Não podemos, somente, esperar pela realização do Jardim do Livro Infantil para se promover o livro e a leitura. Deve-se fazer concursos nas escolas e nos bairros. Penso que se todos organizarmos bibliotecas itinerantes e criarmos clubes de leitura, vamos promover as ciências, como se fazia antigamente.”
Segundo Jovelina Imperial, o Governo de Luanda dispõe de um plano de iniciativas que podem ajudar a melhorar a promoção da leitura no seio das crianças e adultos, no qual todas as entidades são chamadas a dinamizar o processo de promoção de quem lê bem e escreve bem interpreta e compreende melhor ainda.
“Vamos retomar alguns dos prémios culturais da cidade de Luanda de: literatura, canção, artes plásticas, teatro e dança e, também, introduzir a componente infantil em cada um deles.”
A vice-governadora de Luanda prometeu levar o livro longe do centro urbano, à semelhança do que acontece até amanhã nos municípios de Cacuaco, Belas e Viana, assim como na Centralidade do Kilamba, com a realização de feiras do Livro Infantil.
Nesta edição do Jardim do Livro Infantil, na capital do país, que decorre desde quinta-feira na Mediateca de Luanda, cujo acto de encerramento está previsto para amanhã, às 11h00, no Palácio de Ferro, o Instituto Nacional das Indústrias Culturais, na qualidade de organizador, disponibilizou mais de quatro mil livros.

Sessão de autógrafos

Victor Hugo Mendes apresentou quinta-feira, na Mediateca de Luanda, durante a abertura do Jardim do Livro Infantil, o mais recente livro dedicado a crianças intitulado “Chuekinha”, que retrata em 16 páginas a vida de um menino do Cuanza Sul a quem os pais queriam travar os seus sonhos.
Este livro chama atenção aos pais, para incentivarem os sonhos dos filhos, fazendo com que as crianças acreditem neles e nos seus sonhos, pois, segundo o autor, a leitura é uma ferramenta muito interessante e a falta de hábitos de leitura nas crianças é uma negligência dos pais.
Entre os milhares de livros expostos na Mediateca de Luanda, podem também ser adquiridas obras de vários autores nacionais que se dedicam à escrita para crianças, como Marta Santos, John Bella, Yola Castro e Kanguimbo Ananaz.

Actividades no Namibe

A edição 2016 do Jardim do Livro Infantil, na província do Namibe, encerra hoje, no final do dia, no Cine Impala, numa iniciativa da Direcção Provincial da Cultura.
A abertura da feira, na quinta-feira, foi marcada pela presença de mais de trezentas crianças de diferentes escolas do ensino normal, que assistiram, na ocasião, várias actividades atractivas como um espectáculo músico-infantil, peças de teatro e exibição de um filme infantil, assim como participaram no concurso “Sopa de Letras”.
Na cerimónia de abertura, a vice-governadora para o Sector Político e Social disse que a actividade é uma forma de conhecer o livro como elemento fundamental para o processo do desenvolvimento das crianças. “O Jardim do Livro Infantil ajuda a criança a ter conhecimentos, estimula a sua criatividade, a auto-estima e também ajuda a desenvolver outras competências.”
Maria dos Anjos avançou ainda que a iniciativa é uma oportunidade para as crianças, jovens e adultos interagirem e estes últimos transmitirem aos mais novos que devem cultivar o gosto e o amor pelas artes, valores morais e cívicos e preservar a cultura nacional.  “O Governo vai continuar a apoiar acções desta natureza, que visam garantir melhorias no domínio da educação e, consequentemente, do bem-estar das nossas populações.
A directora provincial da Cultura, Euracema Major Ambrósio, disse que a feira é uma iniciativa que visa responder às metas do Executivo, expressa nos princípios gerais e específicos da política cultural angolana, com o objectivo de desenvolver na criança o amor e o gosto pela leitura, bem como por todas as artes que a riqueza cultural angolana oferece.
O Jardim do Livro Infantil é uma iniciativa  de periodicidade anual que comporta um conjunto de actividades de carácter cultural e educativo dirigido às crianças, pais e educadores, tendo como elementos centrais o livro e a leitura.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA