Pepetela analisa desigualdades sociais

Roque Silva |
7 de Maio, 2016

Fotografia: Paulino Damião

As desigualdades sociais No país são o foco do mais recente romance de Pepetela, “Se o Passado tivesse Asas”, apresentado publicamente na quinta-feira, no Camões - Centro Cultural Português, em Luanda.

Os efeitos da guerra, os ganhos da paz e a disparidade, sobretudo na qualidade de vida dos angolanos, são outros dos elementos retratados no romance, de 400 páginas, que é o resultado de uma edição conjunta da Texto Editores e da Leya.
O livro faz  uma análise da situação dos moradores de rua, assim como a terrível “luta diária” destes pela sobrevivência. O escritor afirmou que procurou mostrar com o livro as várias diferenças existentes na sociedade angolana.
O romance, que demorou um ano para ser terminado, é dividido em duas partes e traz duas histórias paralelas, cujo enredo se cruza ao longo da narrativa. A primeira aborda situações ocorridas entre 1995 e 2015, enquanto a segunda conta cenas de 2012 aos dias de hoje.
A primeira história começa numa altura em que a guerra estava no seu auge. Himba, uma jovem que se perde da família, durante um tiroteio, no Huambo, quando estava a caminho de Luanda, é a personagem principal.
A segunda parte conta a história de um jovem artista plástico que usa as telas para registar as suas memórias. Nos seus quadros pinta pessoas, animais e paisagens, com realismo, de forma a fazer a diferenciação e o paralelismo entre as grandes cidades (condomínios) e os musseques, assim como os que têm vida estável e os miseráveis.
O fascínio pela história e o passado, assim como os princípios, ideais e as causas que defende, são, para Pepetela, os motivos de inspiração do livro. “Me senti obrigado a escrever por compaixão e preocupação que tenho em valorizar a vida.”
Para a directora do Camões - Centro Cultural Português um novo livro de Pepetela é sempre um grande acontecimento literário para a Comunidade dos Países da Língua Portuguesa (CPLP), por ser o trabalho do vencedor do Prémio Camões de 1997.
Teresa Mateus disse que Pepetela é um dos raros autores lusófonos de talento e o seu regresso aos romances, três anos depois de “O Tímido e as mulheres”, “vem saciar a sede do seu público leitor”. “Se o Passado tivesse Asas” é o 21.º livro de Pepetela. Editado pela Texto Editores, em conjunto com outros títulos com edição especial para Moçambique e Portugal, entre os quais “Mayombe” (1980), “As Aventuras de Ngunga” (1972), “Muana Puó” (1978), “O Cão e os Caluandas” e “Yaka” (1985) e “Lueji, o Nascimento de um Império” (1990).

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA