Cultura

Tertúlia de Sara Fialho gera debate no Camões

Amilda Tibéria |

Os músicos nacionais devem tirar maior proveito dos textos poéticos dos autores de referência no mercado literário nacional com o objectivo de os musicar, defendeu, na terça-feira, em Luanda, por Sara Filho, durante uma tertúlia denominado “Sara Fialha e Amigos”, realizada no Centro Cultural Português.

Tertúlia foi uma conversa amena com a escritora Sara Fialho
Fotografia: Paulo Mulaza | Edições Novembro

Na óptica de Sara Fialho,  existem livros de poetas nacionais publicados cujas poesias são mensagens que, se forem musicalizadas, dariam outra qualidade ao music hall nacional.
A tertúlia foi uma conversa amena, com a participação de figuras ligada à literatura e à comunicação social, com destaque para Marta Santos e Leda Macuéria. Um dos maiores focos da actividade foi o livro “Crónicas ao Amanhecer”, de Sara Fialho, publicado em Setembro de 2016.
Sara Fialho disse que, para se tornar bom escritor, é preciso ser humilde e ter responsabilidade naquilo que se escreve, assim como respeitar quem compra um livro para não o defraudar.“Crónicas ao Amanhecer” reúne  crónicas escritas para o programa “Amanhã é Outro Dia”, da Luanda Antena Comercial (LAC), que a autora apresentou durante 52 semanas, aos sábados, das 00h00 à 01h00.
“Crónicas ao Amanhecer”, narra a história de uma personalidade marcada por fortes convicções, determinação e humanismo numa permanente preocupação de dar o seu contributo para melhorar as pessoas e a  sociedade, escrito num estilo livre, cheio de ironia e humor, derrubando tabus e preconceitos, numa abordagem com temas diversificados.

Tempo

Multimédia