Cultura

Lubango: Associação de Autores promove criações artísticas

Domingos Mucuta | Lubango

O processo de edição, publicação e promoção de obras de artistas nacionais, residentes na província da Huíla, ganha, doravante, um novo aliado, com a proclamação da Associação de Autores da Huíla, na cidade do Lubango.

Valdemar Ribeiro é o secretário da agremiação
Fotografia: Domingos Mucuta | Edições Novembro | Lubango

A Associação de Autores da Huíla, que assume a responsabilidade de elaboração de e-books e a divulgação online de obras de diferentes autores, foi proclamada sábado na Mediateca do Lubango, com a presença de 29 membros, entre escritores, músicos, cronistas, pintores, escultores e fotógrafos.

O secretário eleito Valdemar Ribeiro explicou que a Associação de Autores da Huíla, sob tutela da academia de autores, é um projecto que visa motivar escritores, músicos, pintores, artistas plásticos, escultores e fotógrafos a editarem e publicarem as suas obras no espaço virtual.

Valdemar Ribeiro explicou ao Jornal de Angola que a iniciativa surge com o patrocínio da fábrica de “Água Preciosa”, após o desenvolvimento da técnica de edição de e-books que vão ser publicados no portal www.academiadeautoresdahuila.net, em 103 línguas.

Valdemar Ribeiro disse que a ideia é tornar as obras dos autores locais, e não só, disponíveis e com acesso gratuito para serem lidas em qualquer lugar do mundo, por qualquer pessoa ou entidade interessada consultar ou conhecer as obras dos artistas da associação.

A associação faz recurso às tecnológicas de informação e comunicação, sobretudo à internet, para des- pertar novos talentos da província escondidos e projectar a sua visibilidade a nível nacional e internacional, dentro do espírito de incentivo à criação artística, leitura e divulgação de obras.

“Este é o grande objectivo. É um projecto para motivar os autores da Huíla a editar e publicar as suas obras. O nosso foco fundamental é construir uma memória da Huíla, através dos seus autores. A ideia é mantermos as raízes huilanas, conservá-las por mais de 500 anos”, disse.

O secretário da associação referiu que, durante os nove meses que antecederam a fundação da Associação, o grupo já publicou mais de 37 obras de 29 autores de diferentes disciplinas das artes, cuja média do acesso ultrapassa as mais de mil visualizações e downloads.

“O método tradicional de publicação de livros físicos é ambientalmente incorrecto por devastar a natureza, além de ser muito caro. Cada vez há menos disponibilidade financeira para editar livros físicos. Aliás, muitas obras são editadas e publicadas nos métodos tradicionais, mas pouca gente tem acesso devido aos custos inerentes”, disse.

Disse que a tecnologia digital permite à literatura e às artes, de forma geral, dar um pulo para o século XXI. “É possível por meio do uso inteligente de ferramentas tecnológicas criar bibliotecas digitais de modo que sejam acessíveis a todas as pessoas interessadas ao nível do planeta”, frisou.

Além do secretário Valdemar Ribeiro, compõem o elenco da associação o escritor Rui Teles, eleito secretário-adjunto, o poeta Lidex Solitário e o pesquisador Abílio Lupenha, vogais, enquanto o padre e escritor Belchior Chihopio “Kandimblé” foi eleito tesoureiro.

Tempo

Multimédia