Cultura

Maria Eugénia Neto dá contributo à História

Amilda Tibéria


A escritora Maria Eugénia Neto afirmou, na quarta-feira, em Luanda, que o seu mais recente livro “As Nossas Mãos Constroem a Liberdade”, lançado no mesmo dia, na União dos Escritores Angolanos (UEA), é um instrumento para os jovens conhecerem a História de Angola.

Livro de contos é instrumento de pesquisa para os jovens
Fotografia: Vigas da Purificação | Edições Novembro

O livro reúne  quatro contos, nomeadamente “O encontro”, “O humanismo de Henda”, “As nossas mãos constroem a liberdade” e  “Prelúdio da vitória”. O livro, com “uma linguagem infanto-juvenil”, aborda questões ligadas à Independência, patriotismo, liberdade e o amor ao próximo.
Segundo Maria Eugénia Neto, o livro narra o imaginário político e cultural angolano, “a partir de figuras  ficcionais  da literatura e do mosaico político angolano”, como Hoji ya Henda, Comandante Benedito e  Ngangula. A autora explicou  que as ilustrações exibidas no livro parecem ficcionais mas são verdadeiras, pois,  sublinhou,    escreveu estes contos "no dia que teve um encontro com Mário Pinto de Andrade, quando precisava de tirar António Agostinho Neto da cadeia e por ser motivo, houve uma campanha com grandes personalidades, que pressionaram os portugueses que o puseram em liberdade”.
Ao apresentar o livro, a escritora Cinthia Gonçalves disse que, apesar de ilustrar a vontade que Hoji ya Henda tinha de libertar o povo, mostra o lado humanista do guerreiro, pois também se preocupava com o bem-estar dos inimigos.
O  escritor John Bella afirmou que o livro testemunha, no imaginário, a beleza das paisagens ilustradas de um povo que lutou muito e sendo assim servirá como guia de pesquisa para os jovens perceberem quanto custou a liberdade do país.

Tempo

Multimédia