Cultura

Matias Damásio partilha palco com Mago de Sousa

Manuel Albano

O cantor Matias Damásio garantiu que vai explorar os sucessos dos quatro discos que tem no mercado para evitar recorrer ao repertório de colegas de profissão, nos dois espectáculos a serem realizados amanhã e na sexta-feira às 20h00, na Casa 70, no distrito urbano do Rangel.

Casa 70 acolhe dois espectáculos de Matias Damásio que promete interpretar sucessos
Fotografia: Paulo Mulaza | Edições Novembro

Em conferência de im-prensa realizada na segunda-feira em Luanda, o autor de “Papá” disse não justificar nestes dois concertos interpretar temas de outros cantores, numa altura que tem vários sucessos a serem preteridos do guião, de maneiras “a evitar realizar espectáculos demorados que possam  tornarem-se cansativos para o público”.
Embora reconhecer que em várias outras ocasiões, tenha interpretado canções de outros artistas nacionais e estrangeiros, como forma de os homenagear, Matias Damásio prometeu  recorrer ao seu vasto repertório, para garantir dois concertos que pretende memoráveis.
O resultado do sucesso, dos quatro discos no mercado, assegurou, vão ser apresentados durante o primeiro e segundo espectáculos como um gesto de carinho e gratidão, que tem pelos apreciadores da sua música.
O cantor disse, que em duas horas de concerto, vai interpretar várias músicas da sua autoria, entre conhecidas e inéditas. O cantor, nascido no Bairro da Lixeira, em Benguela, destacou alguns dos temas que vai interpretar, destacou “Buquê de Rosas”, “Papá”, “Juro Por Tudo”, “Porquê”, “Louco”, “Angola”, “Beijo Rainha”, “Matemática de Amor”, “Agí sem Pensar”, “Saudades de nós” e “Porque queríamos ver-nos”, dueto de Matias Damásio e a cantora espanhola Vanesa Martín.
Damásio vai partilhar o palco com Mago de Sousa e uma voz feminina, cujo nome não aceitou revelar. O músico vai interpretar 18 temas, seleccionados do seu repertório discográfico. “É uma casa que conhecemos bem e temos noção do público e do espectáculo a ser realizado”.
Por existirem ainda saudosistas, disse, vai ser quase uma obrigação interpretar canções que fizeram bastante sucesso no início da carreira, e que continuar a ser tocadas no país e no estrangeiro. “Temos pessoas que consumiram e ainda consomem a nossa música. Procuramos encontrar os melhores temas dos discos passados e junta-los alguns temas do novo trabalho”.
Sobre as duas noites de concertos, o compositor realçou que às expectativas são boas, porque espera ter dois dias de espectáculos com a sala cheia. “A presença do público é fundamental para que a festa seja a mais atractiva possível”, disse o “menino” de Benguela.

Tempo

Multimédia