Cultura

Memórias de Lamartine recontadas em concerto

Analtino Santos

O movimento cultural e musical luandense de épocas passadas voltou a estar em evidência no último sábado, em mais uma edição do projecto “Show do Mês Live”, com o espectáculo de Carlos Larmatine, cujas letras mostraram evidências de muitos dos momentos marcantes da Música Popular Angolana.

Músico promete dar continuidade a carreira
Fotografia: Paulino Damião | Edições Novembro | arquivo

O guião artístico, que incluiu canções ligadas às “turmas” da época, ao Carnaval, o período da música de intervenção e outras produções, cujo teor permitiram sonhar com uma Angola independente, foi bastante elogiado pela assistência.

A canção de intervenção esteve em grande durante todo o espectáculo, com temas como “Guia para Libertação de África”, “Zuateno”, “Kimbemba”, “Etu Tua Nangola” e “Pala Ku nu Abesa o Mu-xima”, considerados clássicos a serem interpretados, numa clara demonstração da organização, a Nova Energia, homenagear o “Poeta Maior”, Agostinho Neto.

Além de clássicos, Carlos Lamartine aproveitou o mo-mento para interpretar alguns temas do mais recente disco, como “Caravana para Delfina”, “Tenda dya losa”, “Kamuine” e “Nvunda Ku Musseque”, escritos de forma a criar uma maior aproximação com o público jovem.

A iniciativa da Nova Energia teve, nesta edição, como convidados especiais, Prado Paim, Cireneu Bastos, Kufikissa e o guitarrista Texas. O concerto foi concebido para ser uma “roda de semba” e homenagem às “turmas” que marcaram a música angolana.

Durante o espectáculo, Cireneu Bastos e Carlos Lamartine aproveitaram a ocasião para fazer uma breve descrição do cenário cultural vivido no Bairro Indígena e no Marçal. “Turmas” como os Kissueias, em que Carlos Lamartine actuou com Bonga, estiveram em grande referência. Para relembrar o “clima da época”, o grupo Kufikissa interpretou alguns clássicos, hoje referências da música nacional, como “Kamakove” e “Cidrália”.

Prado Paim, contemporâneo de Carlos Lamartine, não deixou os créditos para outros. Cantou e reconquistou a audiência com “En-grácia”,“Nzenze” e “Bartolomeu”, este último título do single, que em 1975 o permitiu conquistar o primeiro “disco de ouro”.

Ausente dos palcos há meses, por questões de saúde, Carlos Lamartine prometeu, no final, continuar a actuar, como forma, também, de deixar um legado às gerações vindouras. O lançamento de futuros CD é igualmente parte dos planos do cantor, que tem no mercado os discos “Angola nº I”, “Memórias”, “Histórias da Casa Velha”, “Cidralia”, “Frutos do Chão São Coisas Nossas” e “Caminhos Longos”.

O cantor Pedrito, que recentemente anunciou o fim da carreira, é o próximo artista do “Show do Mês Live”.

Tempo

Multimédia