Cultura

Memórias do Holocausto ganham exposição

Roque Silva |

Factos que marcaram o genocídio praticado pelos nazis na II Guerra Mundial a mais de seis milhões de pessoas, na sua maioria judeus, inspiram a criação da exposição “Memória do Holocausto” a ser inaugurada amanhã, às 18 horas, na galeria Tamar Golan, da Fundação Arte e Cultura, em Luanda.

Imagem que homenageia vítimas do Holocausto integra as peças em destaque na exposição
Fotografia: DR

A exposição visa recordar o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, a 27 de Janeiro, e integra mais de 20 desenhos criados por estudantes da 9ª classe do Colégio Português de Luanda, localizado no bairro Miramar, inspirados nos acontecimentos do holocausto e fotografias da época, com imagens reais do sucedido e escombros. Os trabalhos apresentam um resumo cronológico dos factos ocorridos no massacre, com imagens que retratam a criação e o início das acções do regime nazi, o final da II Guerra Mundial e as vítimas e sobreviventes.
O artista plástico Alekssandre Fortunato criou uma peça única sobre o tema.
A mostra foi coordenada pelo professor de história, Mário Carneiro, e conta com a supervisão da Embaixada de Israel em Angola.
A vice-cônsul de Israel em Angola disse ao Jornal de Angola que se pretende revisitar um dos momentos mais marcantes da História da Humanidade, onde o desrespeito pela vida humana assumiu proporções inimagináveis.
Ana Satat prometeu uma exposição interactiva na qual crianças e adolescentes de várias escolas da província de Luanda efectuam uma residência artística na galeria Tamar Golan, onde vão pintar e desenhar a história do holocausto no período em que a exposição estiver patente, entre as 11h00 e as 20 horas.
A diplomata israelita considerou a exposição “importante e singular, que merece um lugar especial”, fruto da sensibilidade e criatividade usada pelos estudantes que criaram as obras.
“Holocausto é um tema da nossa memória colectiva e deve ter destaque na educação, pois através do que de pior o passado carrega os nossos jovens poderão aprender a ser cidadãos melhor preparados e informados e sobretudo tornarem-se seres humanos que levam para o seu futuro uma memória, que apesar de aterradora, é fundamental para que saibam actuar num mundo onde exemplos de ódio, racismo, xenofobia e desprezo pelo valor da vida humana são, e infelizmente serão, ameaças e realidades permanentes”, explicou a vice-cônsul de Israel em Angola.
O Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, que se assinala anualmente, em praticamente todo o mundo, a 27 de Janeiro, visa recordar as vítimas do genocídio cometido pela Alemanha nazi durante a II Guerra Mundial a mais de seis milhões de pessoas, na sua esmagadora maioria judeus.
A data escolhida para a efeméride assinala o 60.º aniversário da libertação dos campos de concentração nazis e o fim do massacre, pois precisamente a 27 de Janeiro de 1945 dava-se a libertação do maior campo de extermínio nazi, Auschwitz Birkenau, pelas tropas soviéticas.

Tempo

Multimédia