Cultura

"metamorfose" de Gumbe marca regresso à pintura

Jorge Gumbe, um dos nomes mais consagrados da arte contemporânea, marca o regresso com a inauguração da exposição individual “A metamorfose das formas”,  é inaugurada hoje, às 18h30, no Camões - Centro Cultural Português, em Luanda.

Artista plástico Jorge Gumbe e a directora do Centro Cultural Português Teresa Mateus
Fotografia: Paulino Damião | Edições Novembro

A mostra, que fica patente ao público até 19 de Julho, apresenta o trabalho de um artista erudito, que tem feito da pesquisa e da procura de novos conhecimentos o “le-me” do seu percurso artístico. Doze anos depois de ter apresentado a última exposição individual de pintura no país, Jorge Gumbe mostra o mais recente trabalho, no qual reúne 30 quadros em acrílico sobre tela.
“A metamorfose das formas” retoma uma reflexão iniciada por Jorge Gumbe em 2005, com a exposição “Mitos e Sonhos”, que teve como tema central o embondeiro (Adasonia Digitata), salientando o valor simbólico da árvore que conduz à fusão dos corpos en-tre si e dos corpos com o espaço e com os objectos.
Segundo o artista, citado num comunicado de imprensa do Centro Cultural da Embaixada de Portugal, “durante anos, o meu objecto de estudo foi o significado simbólico dos mitos, do imaginário e uma viagem no espaço nos enquadramentos utilizados. Trata-se de um diálogo a que dou continuidade com o tema da metamorfose e da fusão”.
Jorge Gumbe, um dos mais prestigiados artistas plásticos da década de 1980, é doutorado pela Universidade de Roehampton, Londres (2014), e Mestre em Arte e Educação (2002) pela Universidade de Surrey Roehampton, Inglaterra.
É licenciado em Educação Visual e Tecnológica (1994) pela Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, Portugal, estagiário no Instituto Superior de Arte de Konstfackskolan, Estocolmo, Suécia e diplomado em Pintura e De-senho pela Escola Nacional de Arte de Cubanacán, Hava-na, Cuba (1982). Ligado à arte, desenvolve práticas em pintura, gravura e cerâmica e tem participado em exposições individuais e colectivas desde 1982 em Angola e no estrangeiro.
 Também tem desenvolvido actividades de curadoria artística no país e no estrangeiro. Como docente, trabalha na formação artística e, como investigador, está fundamentalmente envolvido em projectos relacionados com a identidade, cultura, cidadania e indústrias culturais e criativas, através das expressões artísticas.
Jorge Gumbe tem colaborado com investigadores na-cionais e internacionais em projectos financiados por distintos programas, financiados pela Fundação da Ci-ência e Tecnologia (FCT) e Fundação Calouste Gulbenkian, ambos de Portugal, e do Governo de Angola. Publicou artigos e recensões em revistas de especialidade nacionais e internacionais.
Em 2005, foi distinguido com o Prémio Nacional de Cultura e Artes.
 Em 1998, conquistou o primeiro lugar no concurso de pintura ENSARTE. Voltou a vencer em 1991.
Na década de 90 conquistou o Prémio de Gravura do Banco de Fomento Exterior, em Portugal. Actualmente, é professor e director-geral do Instituto Superior de Artes (ISART), em Luanda.

Tempo

Multimédia