Ministério da Cultura investe na formação de técnicos

Manuel Albano |
4 de Junho, 2016

Fotografia: Domingos Cadência |

Os investimentos na formação de quadros e infra-estruturas é uma das principais apostas do Ministério da Cultura para este ano, garantiu ontem em Luanda Carolina Cerqueira.

Em declarações à imprensa no final de uma visita à Biblioteca Nacional de Angola, no quadro do programa para identificar as áreas de investimentos a serem feitos nos sectores da cultura, a ministra reconheceu a importância de se localizar ou construir um novo espaço de consultas, capaz de corresponder às expectativas actuais dos leitores.
Carolina Cerqueira destacou que o Executivo continua a apostar no sector da Cultura, por forma a garantir que as instituições ligadas ao sector tenham a capacidade para oferecer melhores serviços aos seus utentes, em especial os estudantes.
A ministra disse que foram feitos vários investimentos no domínio bibliotecário e actualmente têm sido feitas pesquisas e estudos de viabilidade para a construção de uma nova Biblioteca Nacional.
O projecto está a ser estudado no âmbito do plano do Executivo de criar melhores condições para o incentivo à leitura e melhoria da comodidade do público leitor.
A actual Biblioteca Nacional é uma construção antiga, que apesar das várias remodelações, tem dificuldades de espaço e não consegue albergar o número de estudantes que solicitam os seus serviços.
A cultura de paz, tolerância e harmonia, acrescentou, passa também pelos hábitos de leitura, razão pela qual Carolina Cerqueira incentivou os estudantes a pesquisarem mais sobre a História de Angola. A maior parte das províncias do país já tem mediatecas, um aspecto fundamental no aumento do número de leitores. “Nos próximos tempos está prevista a realização de ciclos de leitura, em várias bibliotecas móveis por todo o país. A intenção é aproximar mais os livros aos leitores”,  justificou.
Os conteúdos das canções que atentam contra a dignidade das mulheres e crianças foram repudiados pela ministra, que apelou aos criadores a melhorarem as suas composições, visto que são escutadas por um público abrangente, entre os quais estão também as crianças. O Prémio Literário Jardim do Livro Infantil, que visa o incentivo à criação literária infanto-juvenil, tem permitido promover o surgimento de novos autores e colocar novos títulos para crianças. “Vamos criar programas culturais interactivos, em especial aqueles cujo teor ajuda a dar mais escolhas e alargar o leque de divertimento e lazer dos estudantes.”

Aposta na formação

O director da Biblioteca Nacional disse que a instituição continua a apostar nas acções formativas, principalmente as de capacitação dos técnicos da área de biblioteconomia, por se registar um défice em termos de técnicos qualificados no sector. João Lourenço explicou que tem sido feito um esforço para aumentar o conhecimento dos quadros sobre as noções básicas de biblioteconomia, a classificação, catalogação e tratamento de um acervo, assim como o atendimento ao público.
Desde 2012, a Biblioteca Nacional de Angola já formou nesta área 150 técnicos e atende diariamente mais de 300 pessoas. Até aos mês de Maio, mais de 14 mil leitores consultaram a biblioteca, que actualmente tem mais de cem mil títulos disponíveis para consulta. O processo de modernização da Biblioteca Nacional teve início em 2014, com a inserção do seu acervo histórico e cultural num software, de modo a facilitar os utentes e a mobilidade dos funcionários, assim como incentivar a criação de novos compartimentos que ofereçam maior descentralização às suas operações.

Exposição

Mais de 50 títulos de livros de escritores nacionais, publicados nos finais da década de 70 até hoje, estão patentes numa amostra de literatura infantil, que decorre na Biblioteca Nacional, em Luanda.
Para o director da Biblioteca Nacional, a exposição, que termina dia 17 e foi feita para saudar o Dia Internacional da Criança, tem o objectivo de incentivar os pais e encarregados de educação a estimularem as crianças a ganharem o gosto pela leitura. Na mostra, destacou, estão expostas obras de Maria Eugénia Neto, Cremilda Lima, Maria Celestina Fernandes, Dário de Melo, Zulini Bumba, Marta Santos e Gabriela Antunes. “As crianças que visitam a exposição são presenteadas com um livro”, disse.
O secretário de Estado da Cultura, que também assistiu à cerimónia, enalteceu a iniciativa da direcção da Biblioteca, por ajudar no processo formativo das crianças e criar um programa atractivo para as aproximar mais dos livros. “As crianças devem ser a principal aposta de qualquer instituição do Estado por serem o futuro do país e a sua educação é um passo fundamental neste sentido”, disse Cornélio Calei.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA