Cultura

Ministra apela à divulgação do livro

A promoção de actividades que fomentem uma discussão sobre a literatura infantil, produção, edição e publicação de livros, em todo o país, com a participação de escritores e editores, é um objectivo do Ministério da Cultura.

Ministra da Cultura Carolina Cerqueira
Fotografia: João Gomes | Edições Novembro

Essa afirmação consta da mensagem da ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, alusiva ao Dia Internacional da Literatura Infantil, assinalado hoje. A data foi instituída pelo Conselho Internacional sobre Literatura para Jovens (IBBY), para homenagear o poeta e escritor dinamarquês Hans Christian Andersen (1805-1875).
Carlina Cerqueira destacou a importância da data, tendo em atenção as linhas mestras da Política Nacional do Livro e da Promoção da Leitura, que visa estabelecer prioridades e desenvolver programas de expansão do livro e da leitura em todo o território nacional. A ministra explicou que os princípios gerais dessa política permitem que a produção e distribuição do livro infantil sejam dinamizadas, em prol das crianças angolanas. A ministra realçou que fazem parte da Política Nacional do Livro e da Promoção da Leitura o acesso às publicções para todos, democratização, diversidade cultural, liberdade de criação e de comunicação, valorização do livro e da leitura, e a divulgação e internacionalização de livros infantis e dos autores. Nesta data, Carolina Cerqueira apela aos beneficiários da política literária, como os autores, editores, leitores, bibliotecários e livreiros, a associarem-se às comemorações da efeméride, promovendo actividades de promoção do livro infantil, de acordo a realidade local.
Hans Christian Andersen, nascido em 1805 e falecido em 1875, é o autor de contos de fadas mais conhecidos mundialmente.
Enquanto que as peças de teatro, romances, poemas, livros de viagem e muitas biografias que escreveu só são praticamente conhecidos na Dinamarca, a obra genérica Contos (1835-1872) encontra-se traduzida em muitas línguas. Entre os mais famosos destacam-se “O Patinho Feio”, “A Sereiazinha” e “A Rainha da Neve”. O autor dinamarquês escreveu mais de 156 contos de fadas, autobiografias, romances, peças de teatro, poesia e relatos de viagem. Toda a sua obra estava direccionada tanto para as crianças como para os adultos. As suas criações são ainda hoje fonte de inspiração e de novas reflexões.

Tempo

Multimédia